Depredação e roubo de tampas da rede de esgoto da RMR custam R$ 3,2 mi por ano

De acordo com levantamento do Programa Cidade Saneada, tampas de poços de visita e caixas de inspeção, instaladas nas ruas e calçadas, são roubadas ou depredadas com frequência

Compesa troca tampas da rede de esgotoCompesa troca tampas da rede de esgoto - Foto: Compesa/Divulgação

Mais de R$ 3 milhões são gastos, por ano, no reparo da rede coletora de esgoto na Região Metropolitana do Recife (RMR). De acordo com levantamento do Programa Cidade Saneada, Parceria Público Privada entre a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) e a BRK Ambiental, tampas de poços de visita e caixas de inspeção, instaladas nas ruas e calçadas, são roubadas ou depredadas com frequência. Por mês, cerca de 500 tampas são substituídas na RMR, um custo de quase R$ 270 mil.

Segundo a Compesa, a maior parte das ações de vandalismo foram registradas em áreas mais afastadas dos centros urbanos e com menos circulação de pessoas. Os bairros onde mais foram registrados os danos foram Brasília Teimosa e Afogados, na Zona Sul do Recife, e Santo Amaro, na área central da capital.

A gerente operacional da Compesa, Noélia Lopes, afirma que a substituição das tampas gera um custo significativo que poderia ser revertido para a modernização e ampliação do sistema de esgotamento da RMR. Ainda de acordo com ela, a responsabilidade pelo uso correto das redes, seja de água ou esgoto, também é da população, cabendo às concessionárias a manutenção preventiva e corretiva dos sistemas.

A gerente também informa que estão sendo realizadas ações para minimizar as ocorrências, como a troca das tampas depredadas por tampas de ferro fundido com uma trava antifurto, impedindo a abertura manual com a utilização de uma chave específica para o destravamento.

Veja também

Ipea aumenta previsão de alta do PIB do setor agropecuário
Economia

Ipea aumenta previsão de alta do PIB do setor agropecuário

Guedes fala em novas bandeiras de energia para evitar racionamento
Energia

Guedes fala em novas bandeiras de energia para evitar racionamento