Deputada do PSOL envia carta a Bernie Sanders por apoio contra Ferrogrão

A ferrovia, que ligará o Mato Grosso ao Pará, é considerada uma das principais apostas do governo Bolsonaro para escoamento de commodities pela região Norte

Deputada federal Vivi Reis (PSOL - PA)Deputada federal Vivi Reis (PSOL - PA) - Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O mandato da deputada federal Vivi Reis (PSOL-PA) enviou uma carta ao senador norte-americano Bernie Sanders, por meio de seu gabinete, pedindo apoio contra o projeto da Ferrogrão. A ferrovia, que ligará o Mato Grosso ao Pará, é considerada uma das principais apostas do governo Bolsonaro para escoamento de commodities pela região Norte.

"Este projeto é mais uma prova do autoritarismo e da já conhecida truculência do governo Bolsonaro. Os povos indígenas não foram consultados sobre o empreendimento, o que constitui uma violação dos compromissos internacionais assumidos pelo governo brasileiro", afirma o documento.

A carta tem o endosso de deputados do PSOL, da deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, do Movimento Xingu Vivo Para Sempre e de representantes das entidades Conselho Indígena Tapajós Arapiun, Movimento Tapajós Vivo e Movimento Negro Unificado.
 


"Em reconhecimento à sua liderança mundial no campo progressista, e dado o seu grande prestígio na comunidade internacional, pedimos o seu apoio para propagar essa reclamação e nos ajudar a impedir essa catástrofe. Seu apoio pode ser de enorme importância para a resistência dos povos indígenas do Brasil em face da política genocida e anti-ambiental de Bolsonaro", segue a carta dirigida ao senador democrata.

Apesar de revés no STF (Supremo Tribunal Federal) e de questionamentos do Ministério Público Federal, o Ministério da Infraestrutura ainda vê possibilidade de licitar o projeto até o fim de 2021, com investimentos previstos em R$ 21,5 bilhões.

Com 933 quilômetros de extensão, o projeto prevê a ligação ferroviária do Mato Grosso aos portos de Miritituba e Santarém, no Pará, trajeto hoje feito majoritariamente de caminhão, pela BR-163. A possibilidade de impactos sobre a Floresta Nacional do Jamanxim e sobre 23 povos indígenas são alguns dos pontos críticos hoje.

Projeto da Ferrogrão

Nesta semana, o Ministério Público Federal foi ao TCU (Tribunal de Contas da União) pedir que o projeto seja devolvido à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e só seja levado adiante após consulta obrigatória aos povos indígenas afetados.

Segundo o Ministério Público Federal, levantamentos iniciais identificaram impactos sobre os povos Munduruku, Panará, Kayapó e Kayapó Mekragnotire, além de seis terras indígenas no Mato Grosso, incluindo áreas de povos isolados e o Parque Indígena do Xingu.

Veja também

Boeing terá que inspecionar todos os seus 737 mais antigos nos EUA
Aviação

Boeing terá que inspecionar todos os seus 737 mais antigos nos EUA

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial
Economia

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial