Emprego

Desemprego cresce pelo quarto mês consecutivo em Pernambuco, aponta IBGE

Pesquisa da Pnad Covid aponta,ainda, queda no número de desalentados e aumento no número de solicitação de empréstimos

Desemprego aumentou pelo quarto mês consecutivo em PernambucoDesemprego aumentou pelo quarto mês consecutivo em Pernambuco - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Pelo quarto mês consecutivo, Pernambuco registrou aumento no número de desocupados, segundo levantamento da Pnad Covid. Em agosto, o índice chegou a 15,3%, um crescimento de 1,8 ponto percentual (p.p) em comparação a julho (13,5%). Segundo a pesquisa, 574 mil pessoas estavam desempregadas e buscaram ativamente um emprego, mas não encontraram no mês passado.

Por outro lado, o número de pessoas ocupadas no estado parou de cair em agosto. Em julho, eram 3,153 milhões e, no mês passado, esse número passou para 3,177 milhões, um discreto aumento de 24 mil trabalhadores. A pesquisa também registrou diminuição na população desalentada - faixa de pessoas que não estavam trabalhando e nem procurando emprego, seja devido a pandemia ou por falta de oportunidade onde vivem. Em agosto, eram pouco mais de 1 milhão de pessoas; em julho, esse número chegou a 1,219 milhão de pessoas.

Essa diminuição das pessoas desalentadas pode explicar o aumento no número de desocupados. “Quando analisamos os dados, podemos observar que as pessoas que estavam desalentadas começaram a procurar emprego, passando a compor o grupo de desocupados e não mais de desalentados. Por isso que mesmo com o aumento no número de ocupados, a população desocupada não diminuiu”, explica o economista André Morais.

“A busca por emprego e diminuição dos desalentados não quer dizer, necessariamente, que houve um grande número na abertura de vagas, mas sim que as pessoas retomaram a esperança de se recolocar no mercado de trabalho”, analisa o economista.  

A pesquisa revelou que, pelo quarto mês seguido, houve diminuição no número de pessoas afastadas do trabalho devido ao distanciamento social, passando de 313 mil em julho para menos de 170 mil em agosto. Pernambuco também registrou queda de 1,2 p.p na quantidade de trabalhadores em home office no mês passado (9,5% contra 10,7% em julho). Outra informação que a Pnad Covid fornece é de que 69 mil trabalhadores estavam afastados do trabalho em agosto. Em maio o número era de 620 mil, quase 10 vezes maior.

Pela primeira vez desde o início da pesquisa, houve diminuição no número de domicílios pernambucanos em que ao menos um dos moradores recebeu o auxílio emergencial: foram 56,4% em agosto, contra 57,9% em julho. A pesquisa também mostra que a taxa de informalidade em Pernambuco aumentou 1 ponto percentual entre julho e agosto, saindo de 40,7% para 41,7% da força de trabalho ocupada e chegando a 1 milhão e 326 mil trabalhadores.

A Pnad Covid revela ainda que os pernambucanos recorreram mais a empréstimos em agosto. De acordo com a pesquisa, em 5,1% dos domicílios, algum trabalhador solicitou o apoio financeiro no mês passado. Em julho, a porcentagem foi de 4,3%. Domicílios onde a renda domiciliar per capita está entre meio e um salário mínimo foram a faixa da população que mais recorreu ao empréstimo. "Com a diminuição do benefício para R$ 300, existe uma preocupação de que esses empréstimos aumentem ainda mais, pois o setor de serviços é muito forte na base da nossa economia e ainda não voltou 100%", projeta André Morais.

Veja também

Ferreira Costa ganha unidade em Caruaru que vai gerar 550 empregos, entre diretos e indiretos
Home center

Ferreira Costa ganha unidade em Caruaru que vai gerar 550 empregos, entre diretos e indiretos

Guedes assina acordo para financiamento de exportações americanas que pode chegar a US$ 1 bi
Economia

Guedes assina acordo para financiamento de exportações americanas que pode chegar a US$ 1 bi