Economia

Desemprego vai a 12,3% no trimestre encerrado em julho, aponta IBGE

Os dados constam da Pnad Contínua, pesquisa de abrangência nacional que contabiliza trabalho formal e informal no país

De acordo com dados divulgados pelo IBGE, a taxa de desemprego no país ficou em 12,3% no trimestre encerrado em julhoDe acordo com dados divulgados pelo IBGE, a taxa de desemprego no país ficou em 12,3% no trimestre encerrado em julho - Foto: Pedro Ventura / Agência Brasília

A taxa de desemprego no país ficou em 12,3% no trimestre encerrado em julho, divulgou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (30). O desemprego veio abaixo do verificado no trimestre encerrado em abril, quando esteve em 12,9%. A taxa também esteve menor do que a observada um ano antes, em julho de 2017, quando ficou em 12,8%. Os dados constam da Pnad Contínua, pesquisa de abrangência é nacional que contabiliza trabalho formal e informal no país. O desemprego tem tido influência do aumento do trabalho informal, do fechamento de vagas em setores formais, como construção e comércio, por exemplo, no aumento da fila de emprego e no fato de a renda estar estagnada. O número de pessoas que desistem de buscar oportunidades também tem subido.

O contingente de desocupados/desempregados que estão em busca de recolocação atingiu 12,9 milhões no país, queda de 4,1% na comparação com o trimestre imediatamente anterior, encerrado em abril, quando 13,4 milhões estavam sem emprego. Já o número fora da força de trabalho atingiu 65,5 milhões de pessoas no trimestre finalizado em julho de 2018. Em relação ao trimestre anterior, o contingente ficou estável, mas teve alta de 1,7% na comparação com o mesmo período de 2017. O número de empregados no setor privado com carteira assinada continua em queda. No trimestre encerrado em julho, o país tinha 33 milhões de pessoas nessa situação. O contingente apresentou estabilidade na comparação com o trimestre anterior e o mesmo período de 2017. Os trabalhos informais também ficaram estáveis (11,1 milhões de pessoas) na comparação com o trimestre anterior, mas tiveram alta de 3,4% (mais 368 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2017.

Leia também:
Desemprego no foco do segundo debate dos presidenciáveis
Desemprego na zona do euro cai para nível mais baixo em 9 anos

Embora o aumento da informalidade contribua para a melhora do indicador oficial, o tipo de trabalho encontrado não é amparado pelas leis trabalhistas, requer menor qualificação e geralmente paga menos. Apesar das oscilações da taxa de desemprego, a renda real média do trabalhador permanece estável. No trimestre terminado em julho, a renda esteve em R$ 2.205, em linha com o observado no trimestre imediatamente anterior (R$ 2.215) e também frente ao verificado em igual período do ano passado (R$ 2.188).

Veja também

Ministro afirma que bioeconomia deve ser prioridade no país
Bioeconomia

Ministro afirma que bioeconomia deve ser prioridade no país

Privatização da Eletrobras pode ocorrer até meados de agosto
Eletrobras

Privatização da Eletrobras pode ocorrer até meados de agosto