NEGÓCIOS

DHL investe R$ 1 bi com aérea brasileira para abrir novas rotas de aviões de carga para o Brasil

Na capacidade máxima, prevista para o fim de 2025, serão quatro cargueiros operando entre Campinas (SP), Recife (PE), Belém (PA) e Manaus (AM)

DHL Supply Chain, operadora de armazenagem e distribuição da gigante alemã da logísticaDHL Supply Chain, operadora de armazenagem e distribuição da gigante alemã da logística - Foto: Divulgação

A DHL Supply Chain, operadora de armazenagem e distribuição da gigante alemã da logística, anunciou nesta terça-feira, dia 14, parceria com a brasileira Levu Air Cargo, companhia aérea especializada em cargas, para investir R$ 1 bilhão em novas rotas cargueiras, entre Campinas (SP), Recife (PE), Belém (PA) e Manaus (AM).

O itinerário começa a operar neste mês, com 16 voos por semana, segundo Plínio Pereira, presidente da DHL Supply Chain no Brasil, entre Campinas (SP), Recife (PE) e Manaus (AM), com um cargueiro da Airbus de 27 toneladas de capacidade. Belém (PA) será incluída ainda nos primeiros meses de operação.

Com isso, o plano é movimentar 4 mil toneladas por mês já este ano. O projeto total é, além de incluir Belém, colocar quatro cargueiros da Airbus operando entre essas cidades, dois de 27 toneladas e dois de 90 toneladas cada. Com isso, no fim de 2025, a capacidade de transporte chega a 10 mil toneladas por mês.

"Estamos colocando no sistema mais 10 mil toneladas de capacidade por mês. Em dezembro do ano passado, a movimentação da carga aérea no Brasil foi próxima de 50 mil toneladas. O que vamos acrescentar na capacidade do Brasil de carga é equivalente a 20% do total de dezembro do ano passado" afirmou Pereira.

Carga geral e comércio eletrônico
A DHL Supply Chain atua com carga geral. Transporta peças, partes e produtos acabados das indústrias que mais demandam do modal aéreo, como a farmacêutica, a automobilística, a de eletroeletrônicos e a de petróleo e gás, incluindo aí a rota entre Manaus (AM) e São Paulo, a mais movimentada do país, por causa do polo industrial da Zona Franca.

Além disso, o presidente da DHL Supply Chain vê questões climáticas como um fator a mais a impulsionar a demanda. Ano passado, a seca severa na Amazônia travou a logística da Zona Franca de Manaus, que depende dos rios tanto para receber peças e partes quanto para mandar os produtos industriais produzidos por lá para os principais mercados consumidores.

Embora a conexão do polo industrial na Amazônia com o Sudeste seja a principal rota do transporte aéreo de carga doméstica, ela poderia ter uma fatia ainda maior da logística da Zona Franca, disse Pereira.

Veja também

LCDs podem deixar bancos estaduais menos dependentes dos tesouros
Letra de Crédito do Desenvolvimento

LCDs podem deixar bancos estaduais menos dependentes dos tesouros

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

Newsletter