Dólar cai a R$ 3,17, menor valor em mais de 2 meses; Bolsa recua 0,43%

O dólar comercial caiu 0,40%, a R$ 3,1700, valor mais baixo desde 11 de agosto deste ano (R$ 3,1410)

STAR WARS: A ASCENSÃO SKYWALKER STAR WARS: A ASCENSÃO SKYWALKER  - Foto: Reprodução/ Adorocinema

O cenário externo favorável, com a alta do petróleo no mercado internacional, contribuiu para que o dólar perdesse força frente a boa parte das moedas nesta quarta-feira (19), inclusive o real. A moeda americana caiu para R$ 3,17, fechando no menor valor em mais de dois meses. Também enfraquecem o dólar a menor probabilidade de alta dos juros americanos neste ano, após a divulgação de dados mistos sobre a economia dos EUA.

Segundo José Faria Júnior, diretor-técnico da Wagner Investimentos, a redução da chance de vitória do republicano Donald Trump na eleição presidencial americana é outro fator para a baixa do dólar. No campo doméstico, a proximidade do fim do prazo para a repatriação de recursos mantidos irregularmente no exterior, no dia 31, também pressiona o dólar para baixo. O mercado aguardava ainda o anúncio do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central sobre a taxa básica de juros, a Selic. O comitê decidiu pela redução de 0,25 ponto percentual, a 14,00% ao ano, conforme esperado pela maioria dos analistas do mercado.

O dólar comercial caiu 0,40%, a R$ 3,1700, valor mais baixo desde 11 de agosto deste ano (R$ 3,1410). A moeda americana à vista caiu 0,16%, para R$ 3,1717, no menor patamar também desde 11 de agosto (R$ 3,1390). Pela manhã, como tem ocorrido diariamente, o Banco Central leiloou 5 mil contratos de swap cambial reverso, no montante de US$ 250 milhões.

O mercado de juros futuros operou em baixa, à espera do Copom. O contrato para janeiro de 2017 caiu de 13,635% para 13,602%, e o contrato para janeiro de 2018 recuou 11,990% para 11,920%. O contrato para janeiro de 2021 recuou de 11,190% para 11,090%, no menor nível desde setembro de 2014. O CDS (credit default swap) brasileiro de cinco anos, espécie de seguro contra calote e indicador de percepção de risco, perdia 1,37%, aos 262,852 pontos.

BOLSA
Após quatro sessões de alta, o Ibovespa, o principal índice da Bolsa, terminou a sessão em queda de 0,43%, aos 63.505,61 pontos. O giro financeiro foi de R$ 8,15 bilhões. "Os investidores aproveitaram para vender ações e embolsar os lucros obtidos com a valorização recente desses papéis", explica Ari Santos, gerente de renda variável da corretora H.Commcor.

De acordo com Santos, a prisão do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) não afetou o mercado nesta quarta-feira (19). "O humor dos investidores só vai azedar se, em uma eventual delação, Cunha comprometer integrantes do governo Temer", diz.

O avanço das ações da Petrobras impediram uma queda maior do Ibovespa. O papel preferencial subiu 1,14%, a R$ 16,72, e o ordinário ganhou 1,06%, a R$ 18,99. O petróleo subiu mais de 1% no mercado internacional depois da divulgação de queda nos estoques semanais da commodity nos EUA. Além disso, a Arábia Saudita indicou que mais países podem aderir ao acordo da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para limitar a produção.

Veja também

Ipea revisa para cima projeção do PIB do agronegócio
Economia

Ipea revisa para cima projeção do PIB do agronegócio

Ministério de Infraestrutura entregará planos de estratégia logística para até 2050
Economia

Ministério de Infraestrutura entregará planos de estratégia logística para até 2050