Dólar cai para R$ 4,063 e fecha no menor valor em 40 dias

A moeda está no menor nível desde 5 de novembro, quando era vendida a R$ 3,993

Dólar americanoDólar americano - Foto: Arquivo/Agência Brasil

Em um dia de otimismo no mercado financeiro, a moeda norte-americana fechou em seu menor nível em mais de um mês – o dólar comercial encerrou esta segunda-feira (16) a R$ 4,063, com queda de R$ 0,045 (-1,1%). A moeda está no menor nível desde 5 de novembro, quando era vendida a R$ 3,993.

A divisa operou em baixa durante toda a sessão. O dólar acumula queda de 4,18% em dezembro.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela realização de lucros, quando os investidores vendem papéis para embolsarem ganhos. Depois de iniciar o dia em alta e ultrapassar os 113 mil pontos, o índice Ibovespa, da B3, antiga Bolsa de Valores de São Paulo, reverteu a tendência no fim da tarde e fechou aos 111.896 pontos, com queda de 0,59%.

Leia também:
Governo argentino estabelece imposto de 30% para compras de dólares no exterior
Dólar cai para R$ 4,13, menor valor em um mês


Os últimos dias têm se caracterizado por ganhos no mercado financeiro após a agência de classificação de risco Standard & Poor’s anunciar a elevação da perspectiva da nota da dívida pública brasileira de estável para positiva. A decisão indica que a agência pode subir a nota do crédito soberano do Brasil nos próximos dois anos caso o país siga com a agenda de reformas e de redução dos gastos públicos.

O fechamento da primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China também contribuiu para o otimismo em relação a economias emergentes, como o Brasil. Nesta segunda, o risco Brasil medido pelo Credit Default Swap (CDS) de cinco anos fechou em 100,2 pontos, o menor nível em nove anos.

Veja também

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial
Benefício

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão
Restrições

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão