Dólar despenca 3% e é cotado abaixo de R$ 5; Bolsa sobe 2,5%

O movimento reflete a inesperada criação de empregos nos Estados Unidos em maio, o que investidores interpretam como um sinal de que o pior momento provocado pela pandemia de Covid-19 teria passado

DólarDólar - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O dólar tem forte queda de 3% nesta sexta-feira (5), a R$ 4,9780, menor valor desde 13 de março, antes da moeda ir a R$ 5. O Ibovespa sobe 2,5%, a 96 mil pontos.

O movimento reflete a inesperada criação de empregos nos Estados Unidos em maio, o que investidores interpretam como um sinal de que o pior momento provocado pela pandemia de Covid-19 teria passado, embora o caminho para a recuperação possa ser longo.

O relatório mensal de emprego do Departamento do Trabalho americano também mostrou que a taxa de desemprego caiu a 13,3% no mês passado de 14,7% em abril, uma máxima pós-Segunda Guerra. Essa leitura veio na esteira de pesquisas que mostraram estabilização na confiança do consumidor, na manufatura e nos serviços.

Leia também:
Dados econômicos vêm 'menos ruim' do que o esperado e fazem Bolsa subir e dólar cair
Mercado financeiro prevê queda de 6,25% na economia este ano, diz BC
Bolsa volta ao patamar pré-pandemia; dólar despenca mais de 3%


As condições econômicas melhoraram consideravelmente depois que as empresas reabriram após terem que ser fechadas em meados de março para conter a disseminação da Covid-19.

Foram criadas fora do setor agrícola 2,509 milhões de vagas no mês passado, após fechamento recorde de 20,687 milhões em abril. Economistas consultados pela Reuters previam que a taxa de desemprego subiria para 19,8% em maio e que os EUA fechariam 8 milhões de postos de trabalho.

"Essas melhorias no mercado de trabalho refletiram uma retomada limitada da atividade econômica que foi reduzida em março e abril devido à pandemia de coronavírus e aos esforços para contê-la", afirmou o Departamento do Trabalho em comunicado. Em Nova York, o índice Dow Jones sobe 2,7%, S&P 500 tem alta de 2% e Nasdaq, de 1,5%

Veja também

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF
Seguro

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF