Dólar fecha abaixo de R$ 4 pela 1ª vez desde agosto

Para Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest, a queda do dólar ainda é fruto da aprovação da nova Previdência

Dólar, moeda americanaDólar, moeda americana - Foto: Arquivo/Agência Brasil

Com cenário externo favorável, o dólar caiu 0,42% nesta segunda-feira (28) e foi a R$ 3,9930, menor valor desde 15 de agosto. A moeda americana perdeu 14 centavos de real desde o último passo da reforma da Previdência no Congresso, na última terça (22). A aprovação do projeto também beneficia a Bolsa brasileira, que voltou a bater recorde nesta segunda, fechando acima dos 108 mil pontos pela primeira vez na história.

Para Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest, a queda do dólar ainda é fruto da aprovação da nova Previdência e da expectativa do mercado com demais reformas, como a administrativa e tributária. "O movimento também implica uma vinda de dólares com a cessão onerosa na próxima semana. Resta saber se a cotação vai se manter abaixo de R$ 4".

A economista aponta que apenas a entrada de investidores estrangeiros no país seria capaz de estabilizar a cotação abaixo dos R$ 4. No momento, a balança cambial de investimentos está negativa.

Leia também:
Após eleição de Fernández, Banco Central da Argentina anuncia limite de compra de dólares
Dólar volta a cair e aproxima-se de R$ 4
Pessoas físicas não poderão ter contas em dólar indiscriminadamente 

Além da aprovação da principal pauta do mercado financeiro, o real se valoriza com uma trégua na guerra comercial. Estados Unidos e China estão com o texto da primeira fase do acordo praticamente pronto para ser assinado em novembro.

As Bolsas também se beneficiam da aproximação entre chineses e americanos que, somada à expectativa de quedas de juros esta semana levou índices acionários a novos recordes. No Brasil, o Banco Central (BC) decide a nova taxa básica de juros nesta quarta-feira (30). O mercado prevê uma queda de 0,5 ponto percentual na Selic, que ira para 5% ao ano, nova mínima histórica.

O boletim Focus desta segunda-feira aponta que os economistas reduziram ainda mais suas expectativas para a taxa básica de juros em 2020, com o grupo dos que mais acertam as previsões na pesquisa do BC vendo a Selic a próxima de 4,5% tanto este ano quanto no próximo.

Em meio ao ciclo de afrouxamento do Banco Central, o Ibovespa subiu 0,77% nesta segunda, a 108.187 pontos, perto da máxima do dia de 108.392 pontos, novo recorde intraday. O volume negociado foi de R$ 15,142 bilhões, abaixo da média diária para o ano. Nos Estados Unidos, o S&P 500 também bateu recorde. O índice foi a 3.039 pontos, alta de 0,56%, apenas 5 pontos a mais que a máxima anterior, de 26 de julho. Demais índices da Bolsa de Nova York, Dow Jones e Nasdaq se aproximaram das máximas históricas, com altas de 0,49% e de 1,01%, respectivamente.

Veja também

TJPE libera realização de provas de Concurso Público em Gravatá
Justiça

TJPE libera realização de provas de Concurso Público em Gravatá

Carrefour anuncia que vai deixar de usar seguranças terceirizados
Serviço nas lojas

Carrefour anuncia que vai deixar de usar seguranças terceirizados