Dólar fecha em baixa, mas segue sem abandonar o patamar de R$ 4

O dia foi de oscilação e na cotação máxima o dólar atingiu R$ 4,1333

DolarDolar - Foto: Pixabay

O dólar interrompeu uma escalada de sete pregões e fechou em baixa ante o real nesta sexta-feira (24), num movimento de correção e também conforme a aversão global a risco perdeu força, mas sem abandonar o patamar de R$ 4O dólar comercial recuou 0,48%, para R$ 4,104. O dia, no entanto, foi de oscilação e, na máxima, a moeda chegou a R$ 4,133. O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas da Bolsa brasileira, avançou 0,83%, para 76.262 pontos. Na semana, o indicador sustenta alta de 0,33%. Pela manhã, o presidente do Federal Reserve (banco central americano), Jerome Powell, trouxe tranquilidade ao mercado ao reforçar o gradualismo na alta de juros por lá. Taxas de juros mais elevadas nos Estados Unidos fortalecem o dólar e atraem, para a maior economia do mundo, fluxo de capital alocado em outros países, como o Brasil.

Powell disse que espera uma gradual, porém firme, política de aumento de juros enquanto o Fed busca equilibrar o crescimento econômico com pressões inflacionárias e eventuais efeitos colaterais decorrentes da expansão americana. "Eu vejo o caminho atual de aumentar as taxas de juros gradualmente como a abordagem de levar a sério os dois riscos", afirmou. A fala de Powell pode ser entendida como um recado ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que já atacou publicamente a política monetária do Fed. Em julho, afirmou que a alta feria a economia americana e conflitava com os esforços do governo para impulsionar o crescimento dos EUA. Segundo Fabrício Stagliano, analista-chefe da Walpires Corretora, embora o discurso de Powell não traga novidades sobre os rumos da política monetária do país, a repercussão foi positiva para o mercado. Lá fora, 27 das 31 principais divisas do mundo avançaram em relação à moeda americana. "Ele não disse nada de novo, mas também não sinalizou um aumento de juros mais acelerado, e havia essa expectativa por parte do mercado", diz Stagliano.

Leia também:
Preços do pão e do macarrão vão subir com alta do dólar
Dólar fica mais volátil nesta eleição 

Desde dezembro de 2015, o Fed já elevou sete vezes os juros nos EUA. Neste ano, foram duas altas, e mais duas são esperadas – uma na reunião de setembro e outra na de dezembro. Na semana, o dólar acumula alta de 4,8%, após uma bateria de pesquisas eleitorais mostrarem Geraldo Alckmin (PSDB) - candidato à Presidência preferido pelo mercado por ser visto como um nome reformista- ainda sem tração significativa, ao mesmo tempo em que investidores começaram a precificar a possibilidade de um candidato do PT chegar ao segundo turno. "Essa semana foi um resumo do que podem ser as próximas até a eleição. A Bolsa, por exemplo, subiu muito num dia, caiu muito no outro e, no fim, ficou quase estável", diz Alvaro Frasson, analista da Spinelli. O Ibovespa chegou a subir 2,29% na quarta-feira (22) e cedeu 1,65% na quinta -na semana, acumulou 0,33%. Frasson ressalta que o CDS (credit default swap, termômetro do risco-país) subiu significativamente na última semana, passando de 240,921 pontos para 286,169 pontos. "O CDS reflete quando o mercado está pagando por um risco de default [calote] do Brasil. Ele anda em sintonia com o dólar, que também é uma medida para se falar de risco-país. No início do ano, quando a confiança dos economistas no crescimento do país ainda era mais alta, o CDS estava na casa de 160 pontos", explica

 

Veja também

Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena
Loteria

Apostador de Fortaleza acerta os seis números da Mega-Sena

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial
Benefício

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial