economia

Dólar sobe mais de 2% e encosta em R$ 5,60

O real teve o pior desempenho entre emergentes na sessão, a despeito de dados melhores das contas externas

Dólar americanoDólar americano - Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

O dólar teve o quarto pregão seguido de alta nesta quarta-feira (23), com valorização de 2,24%, a R$ 5,5920, maior valor desde 26 de agosto, quando estava a R$ 5,62. O turismo está a R$ 5,88.

Segundo analistas, o movimento reflete uma combinação da força internacional da moeda, impulsionada pela desaceleração na atividade econômica nos Estados Unidos e aumento de novos casos de Covid-19 na Europa, com a preocupação com o cenário fiscal brasileiro, que eleva o risco no país e enfraquece o real.

"Temos um déficit fiscal grande, dificuldade de celeridade nas reformas e a prévia da inflação que veio maior que o esperado pelos economistas", diz Cristiane Fensterseifer, analista da Spiti.

O real teve o pior desempenho entre emergentes na sessão, a despeito de dados melhores das contas externas. O Brasil registrou superávit em transações correntes pelo quinto mês seguido em agosto, levando o déficit em 12 meses ao menor patamar desde junho de 2018.

Números melhores nas contas externas em tese significam fundamentos mais robustos e menor pressão do lado de oferta de moeda, mas o câmbio contratado segue exibindo fortes saídas de recursos, especialmente na conta financeira, por onde passam fluxos para portfólio, empréstimos, remessas, entre outros.

Apenas na semana passada, o país perdeu na conta financeira US$ 2,880 bilhões, elevando o déficit em setembro para US$ 3,066 bilhões. No ano, o rombo soma US$ 50,714 bilhões.

Além disso, na terça (22), o Ministério da Economia divulgou estimativa de que as contas federais vão encerrar 2020 com um rombo de R$ 861 bilhões, o pior resultado da série histórica.

Apesar da forte alta do dólar na sessão, Banco Central não interveio no mercado. A última vez que o BC atuou de maneira mais incisiva no câmbio foi na segunda quinzena de agosto, quando o dólar oscilava perto dos atuais patamares.

"O que tenho dificuldade de entender é a torcida do Banco Central para o câmbio se estabilizar ao invés de subir uma barreira em algum preço, uma vez que ele já está contaminando a inflação e isso pode tirar o carro dos trilhos", afirmou Luiz Fernando Alves, sócio do Fundo Versa.

O pregão foi marcado por ampla aversão a risco no mundo com o salto em casos de Covid-19 na Europa e queda das ações de tecnologia nos Estados Unidos. A Bolsa americana Nasdaq caiu 3%, Dow Jones, 1,9% e S&P 500, 2,4%.

A empresa de dados IHS Markit disse nesta quarta que seu índice PMI Composto preliminar, que acompanha os setores de manufatura e serviços dos EUA, caiu para 54,4 em setembro, ante leitura de 54,6 em agosto -um resultado acima de 50 indica crescimento e, abaixo, contração.

Segundo o levantamento, os ganhos nas fábricas foram compensados por um recuo nas indústrias de serviços, sugerindo perda de ímpeto para a economia à medida que o terceiro trimestre chega ao fim e a pandemia de Covid-19 permanece.

Enquanto a atividade desacelera, no Congresso americano continua o impasse por mais estímulos. Segundo o Goldman Sachs, na ausência delas, um novo ânimo na economia dos EUA dependerá de uma vacina contra o Covid-19.

Veja também

Retomada surpreende shoppings, que veem mais concorrência com comércio eletrônico
Comércio

Retomada surpreende shoppings, que veem mais concorrência com comércio eletrônico

Dólar se afasta de mínimas com foco em negociações nos EUA
BOLSA DE VALORES

Dólar se afasta de mínimas com foco em negociações nos EUA