Dólar sobe para R$ 5,18; Ibovespa fecha em alta de 1,65%

A moeda americana é um ativo de proteção a investidores em momentos de incerteza quanto à economia

DólarDólar - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O dólar voltou a ganhar força ante as principais moedas globais nesta segunda-feira (30). No Brasil, a cotação comercial da divisa subiu 1,52%, a R$ 5,1810, maior valor desde o recorde de R$ 5,20 em 18 de março. O turismo está a R$ 5,2640 na venda.

A moeda americana é um ativo de proteção a investidores em momentos de incerteza quanto à economia.

No domingo (29), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prorrogou as diretrizes de permanência em casa até o final de abril, abandonando o plano de retomar as atividades após a Páscoa.

Leia também:
Bolsas voltam a cair por temor do coronavírus
Setor de serviços sofre na Bolsa por descontos ao consumidor no coronavírus


Por outro lado, novidades no combate à Covid-19 levaram as principais globais tiveram a um dia de alta.

Um teste de 5 minutos para o coronavírus desenvolvido pela Abbott foi aprovado pelo FDA (Food and Drug Administration), agência que regulamenta os medicamentos nos EUA, e a Johnson & Johnson anunciou que iniciará o teste em humanos de uma vacina em setembro.

Em Nova York, as ações da Abbott subiram 6,4% e as da J&J, 8%. O salto no setor levou Dow Jones a subir 3,19%, S&P 500, 3,35% e Nasdaq, 3,62%.

No Brasil, o Ibovespa acompanhou e subiu 1,65%, a 74.639 pontos. Com destaque para a alta de 10,58% da Eletrobras, após balanço positivo.

O petróleo, por outro lado, voltou a registrar forte queda. O barril do Brent caiu 8,9%, a US$ 22,27, menor valor desde 2002. A desvalorização reflete a expectativa por uma menor demanda da matéria-prima devido a crise do coronavírus.

Veja também

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão
Restrições

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão

Honda suspende produção em Manaus por pandemia e falta de insumos
Negócios

Honda suspende produção em Manaus por pandemia e falta de insumos