Dólar sobe pelo 2º dia, mas completa nove semanas de queda; Bolsa recua

O dólar à vista, referência no mercado financeiro, teve alta de 0,38%, para R$ 3,094. O dólar comercial subiu 0,25%, para R$ 3,093

O dólar comercial fechou o dia em alta de 0,05%O dólar comercial fechou o dia em alta de 0,05% - Foto: Reprodução

O dólar devolveu pelo segundo dia parte da forte desvalorização registrada no início da semana, quando atingiu o menor patamar em quase dois anos, e fechou cotado a R$ 3,09 nesta sexta-feira (17). Já a Bolsa brasileira acompanhou o aumento da cautela no exterior e encerrou o dia praticamente estável.

O dólar à vista, referência no mercado financeiro, teve alta de 0,38%, para R$ 3,094. O dólar comercial subiu 0,25%, para R$ 3,093. Apesar da alta, a moeda americana acumula nove semanas de desvalorização em relação ao real. No ano, o dólar recua 4,9% ante o real.

A alta do dólar desta sexta (17) acompanhou o movimento da moeda americana no exterior. Das 24 principais divisas emergentes, 18 perderam força ante o dólar nesta sessão.

Na avaliação de analistas, alguns investidores aproveitaram o dia para ajustar suas posições, considerando que na segunda-feira (20) os mercados americanos estarão fechados por causa do feriado do Dia do Presidente nos Estados Unidos.
O Banco Central deu continuidade aos leilões de swaps cambiais -equivalentes à venda de dólares no mercado futuro. Foram vendidos 6.000 contratos com vencimento em março, no total de US$ 300 milhões. A autoridade monetária ainda tem US$ 5,754 bilhões para rolar.

Apesar das nove semanas de desvalorização, a expectativa é que o dólar ganhe força ao longo do ano em relação ao real, acompanhando os aumentos de juros nos Estados Unidos. Na próxima quarta-feira, o comitê de política monetária do banco central americano divulga a ata da última reunião, realizada em fevereiro e na qual seus membros decidiram manter a taxa de juros nos EUA. Para o próximo encontro, em março, a probabilidade de aumento é de 32%.

No mercado de juros futuros, os contratos fecharam em baixa nesta sexta. O contrato com vencimento em abril de 2017 recuou de 12,225% para 12,197%. O DI com vencimento em janeiro de 2018 caiu de 10,635% para 10,570%. O contrato com vencimento em janeiro de 2021 teve queda de 10,340% para 10,290%.

O CDS (credit default swap) de cinco anos brasileiro, espécie de seguro contra calote e termômetro de risco, subiu 1,36%, para 231,117 pontos, na quarta alta seguida.

BOLSA

O Ibovespa, principal índice do mercado acionário brasileiro, fechou em leve baixa de 0,10%, para 67.748 pontos. Apesar da queda, o índice acumulou alta de 2,46% na semana, a segunda seguida de alta. O volume financeiro do dia foi de R$ 7,69 bilhões, em linha com a média diária do ano, que é de R$ 7,65 bilhões.

As ações da Petrobras fecharam em baixa, em dia de instabilidade nos preços do petróleo no exterior. As ações preferenciais da estatal caíram 1,58%, para R$ 15,61. As ações ordinárias recuaram 1,47%, para R$ 16,72. As ações da Vale iniciaram o dia em baixa, mas se recuperaram e encerraram o dia no azul. As ações preferenciais da mineradora subiram 1,26%, para R$ 32,25. Os papéis ordinários tiveram valorização de 0,89%, para R$ 34,07. No ano, os papéis acumulam ganho de mais de 30%. Os papéis preferenciais sobem 38,2% e os ordinários, 32,7%.

No setor financeiro, os papéis de bancos fecharam sem uma direção definida. As ações do Itaú Unibanco caíram 0,05%, as ações preferenciais do Bradesco tiveram queda de 0,21% e as units -conjunto de ações- do Santander Brasil fecharam o dia com desvalorização de 0,95%.

Na ponta contrária, as ações do Banco do Brasil subiram 0,06% e fecharam em alta pelo sexto dia seguido. As ações ordinárias do Bradesco tiveram alta de 0,13%.

Veja também

Grandes empresas pedem que governo antecipe prazo para zerar emissões de poluentes
Meio Ambiente

Grandes empresas pedem que governo antecipe prazo para zerar emissões de poluentes

Fundador do Google entra em seleta lista de pessoas com mais de US$ 100 bilhões
Fortuna

Fundador do Google entra em seleta lista de pessoas com mais de US$ 100 bilhões