Cotação do Dólar

Dólar tem primeira alta após três quedas e fecha a R$ 4,68

Bolsa sobe 0,55% no primeiro ganho desde quinta-feira

O dólar fechou esta quata-feira (13) com pequena valorização após oscilar ao longo do diaO dólar fechou esta quata-feira (13) com pequena valorização após oscilar ao longo do dia - Foto: Pexels

Numa sessão marcada pela estabilidade no mercado global, o dólar fechou esta quata-feira (13) com pequena valorização após oscilar ao longo do dia. A bolsa de valores (B3) teve o primeiro ganho após três quedas consecutivas.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira vendido a R$ 4,689, com alta de 0,26%. A cotação iniciou o dia em baixa, caindo para R$ 4,65 no início das negociações, mas depois passou a alternar altas e recuos ao longo da sessão. Na máxima do dia, por volta das 10h45, chegou a R$ 4,7.

Essa foi a primeira alta após três quedas seguidas. Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana acumula queda de 1,52% em abril. Em 2022, a divisa recua 15,91%. Em todo o planeta, o dólar operou com relativa estabilidade, esperando a reunião de amanhã (14) do Banco Central Europeu para definir os juros na zona do euro.

Bolsa
O mercado de ações teve um dia de recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 111.782 pontos, com alta de 0,55%. Essa foi a primeira subida no indicador após três sessões de queda.

A bolsa brasileira seguiu as bolsas norte-americanas, que fecharam em alta após vários dias de baixa. No fator interno, contribuíram para a recuperação do Ibovespa a alta nas ações da Petrobras, cujo Conselho de Administração se reuniu hoje para definir o novo presidente da estatal, e o crescimento nas vendas do comércio em fevereiro, o que impulsionou as ações de empresas varejistas.

Veja também

Mega-Sena 2.748: prêmio acumula pela terceira vez e chega a R$ 21 milhões
loteria

Mega-Sena 2.748: prêmio acumula pela terceira vez e chega a R$ 21 milhões

Lei que padroniza índices de correção e juros ainda gera dúvidas a especialistas
padrão

Lei que padroniza índices de correção e juros ainda gera dúvidas a especialistas

Newsletter