Drive-thru cresce como alternativa de shoppings e lojas para reduzir perdas

A Multiplan administra shoppings como o Morumbi Shopping, em São Paulo, o Barra Shopping, no Rio de Janeiro, e o Park Shopping Barigüi, em Curitiba–que já contam com o drive-thru

Shopping segue determinação para fechamento Shopping segue determinação para fechamento  - Foto: Divulgação

Conforme o Dia das Mães se aproxima, mais lojistas de shoppings aderem ao sistema drive-thru para tentar mitigar as perdas diante da quarentena no país.
Segundo Vander Giordano, vice-presidente institucional da Multiplan, a medida é uma alternativa de suporte aos lojistas em meio ao isolamento social e crise do coronavírus.

A Multiplan administra shoppings como o Morumbi Shopping, em São Paulo, o Barra Shopping, no Rio de Janeiro, e o Park Shopping Barigüi, em Curitiba–que já contam com o drive-thru.

"Como ainda existem muitas pessoas com medo de sair, a premissa é que não haja contato físico", afirmou Giordano.

Para participar do sistema de drive-thru, o lojista precisa assinar um termo de adesão com o shopping e deve se comprometer a higienizar os pacotes a serem entregues e a seguir as medidas de higiene, como o uso de luvas, máscaras e álcool em gel.

Leia também:
20% dos shoppings do país oferecem drive-thru e delivery para os clientes
Shoppings querem reabertura e esperam resposta do poder público

Do lado do cliente, o uso do drive-thru é simples. A compra é feita pelos canais disponibilizados, como o site da loja ou um número de WhatsApp próprio para o pedido.

Depois de escolher o produto, o consumidor agenda uma hora para buscá-lo. O pagamento é feito na hora da retirada ou por plataforma previamente disponibilizada pela loja.

Segundo o diretor de marketing da Ancar, Diego Marcondes, o número de lojistas que aderem ao sistema cresce significativamente, e a adoção da medida deve ser estendida.

A Ancar administra o Shopping Metrô Itaquera e o Shopping Pátio Paulista, em São Paulo, e o Botafogo Praia Shopping, no Rio de Janeiro, por exemplo, que estarão com o modelo para o Dia das Mães.

"O processo de digitalização dos shoppings se intensificou muito nos últimos dois meses e tende a continuar crescendo", afirmou Marcondes.

Outros setores também têm adotado o drive-thru, como é o caso da Leroy Merlin. A empresa já era adepta do modelo antes da pandemia, mas ajustou protocolos para manter as vendas na quarentena.

Segundo o gerente comercial da Leroy Merlin da marginal Tietê, Paulo Palermo Junior, o horário de funcionamento do drive-thru foi reduzido para atender das 8h às 22h (ia das 6h30 às 23h), além da restrição de cada cliente ser atendido por um único funcionário durante o processo (antes, o sistema trabalhava com um colaborador por etapa).

"Os funcionários são obrigados a usar máscaras e luvas e a higienizar seus pontos de trabalho. Orientamos o cliente a não descer do carro e também espalhamos cartazes informativos", disse.

Especificamente para o Dia das Mães, a expectativa é de uma queda de 60% nas vendas ante igual período de 2019, segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio).

"Mesmo depois da pandemia, a tendência é que haja uma herança negativa. Principalmente dada a retração do mercado de trabalho e da renda", disse o economista da confederação Fábio Bentes.

Só em São Paulo, segundo o assessor econômico da FecomercioSP (Federação do Comércio de São Paulo) Altamiro Carval, a queda estimada para a data é de 31% entre os cinco setores que mais vendem no período –farmácias, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, móveis e decorações, vestuários e supermercados–, valor equivalente a uma perda de R$ 3,7 bilhões em vendas.

"Todos nós queremos abrir logo as portas para termos a oportunidade de vender, mas sabemos que o movimento não vai ser grande. Estamos todos sofrendo", afirmou o vice-presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) do Bom Retiro, Nelson Tranquez.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Empresas estudam esvaziar caixa para evitar dividendo com imposto em 2022
Economia

Empresas estudam esvaziar caixa para evitar dividendo com imposto em 2022

Guedes vê como legítima pressão do centrão e tenta manter aliados no Trabalho
Política econômica

Guedes vê como legítima pressão do centrão e tenta manter aliados no Trabalho