É hora de se programar para Copa no Catar em 2022

Segundo cálculos do aplicativo de finanças pessoais GuiaBolso, é possível ir ao próximo Mundial investindo apenas R$ 200 por mês. Se o objetivo for a Copa de 2026, esse valor cai para menos de R$ 100.

 CEO do GuiaBolso, Thiago Alvarez CEO do GuiaBolso, Thiago Alvarez - Foto: divulgação

Não foi dessa vez que o Brasil conquistou o hexacampeonato. Mas pode ser na próxima Copa do Mundo, em 2022, no Catar. E você pode acompanhar esta conquista de perto, gastando menos do que imagina. Segundo cálculos do aplicativo de finanças pessoais GuiaBolso, é possível ir ao próximo Mundial investindo apenas R$ 200 por mês. Se o objetivo for a Copa de 2026 - a ser disputada no Canadá, Estados Unidos e México -, esse valor cai para menos de R$ 100.

“É possível realizar este sonho se ele for planejado e executado com antecedência. Economizar em torno de R$ 200 por mês nos próximos quatro anos, por exemplo, é o suficiente para ir para a Copa do Catar”, garantiu o CEO do GuiaBolso, Thiago Alvarez, dizendo que esse orçamento considera as despesas de viagem, hospedagem, alimentação, ingresso e turismo.

A viagem custaria mais ou menos R$ 12 mil. E é possível poupar esse valor investindo R$ 200/mês em um fundo de renda fixa com rendimento similar ao da Selic (taxa básica de juros)”, acrescentou Thiago, dizendo que escolheria este tipo de título pela segurança. “Fundos de renda variável e fundos cambiais têm mais variabilidade. Já a poupança perde rentabilidade com muita facilidade”, explicou, dizendo que o GuiaBolso considerou a Selic atual, de 6,5%, para calcular o rendimento do investimento nos próximos quatro anos. “E esta já é uma taxa baixa para os padrões brasileiros”, analisou, indicando que os juros podem subir até a Copa de 2022, aumentando também o retorno do investimento.

Ele ressaltou ainda que esta pode ser a melhor oportunidade que os brasileiros terão para investir no Mundial. Afinal, a próxima Copa vai demorar mais tempo para chegar. Devido às condições climáticas do Catar, o torneio não vai ser realizado em julho, como normalmente acontece, mas entre novembro e dezembro. “Teremos mais tempo para poupar. Serão 53 meses ao invés dos tradicionais 48 meses”, contou Alvarez.

Esse valor de R$ 200/mês, no entanto, só é válido para os torcedores que toparem fazer uma viagem sem muito luxo, sempre recorrendo aos custos mais baixos. O hotel, por exemplo, não terá mais que três estrelas e pode até ser um hostel. Os voos devem ter escala, as refeições podem ser trocadas por lanches, os ingressos serão os dos setores mais baratos, o deslocamento nas cidades será feito por transporte público e os passeios/compras contarão com um orçamento limitado.

Para ter uma ideia, pesquisas da GuiaBolso mostraram que o primeiro perfil de torcedor pode encontrar um voo com escalas para o Catar por R$ 4,8 mil. Um voo direto, por sua vez, chega a R$ 7,1 mil. Já a hospedagem em um hotel três estrelas somaria R$ 2,6 mil após 19 dias de viagem. Em um hotel de luxo, porém, salta para R$ 7,8 mil por pessoa. Uma alimentação que considera os lanches como uma opção de refeição pode somar R$ 980 nesses 19 dias. Mas, se a opção for ter todas as refeições regulares, além dos lanches, este orçamento quase triplica, alcançando R$ 2,8 mil.

Ingressos
Os ingressos são outro exemplo de como o orçamento muda de acordo com o seu perfil de torcedor. É que dois ingressos da primeira fase mais um das oitavas de final no setor mais barato do estádio podem sair por R$ 1,2 mil. Se os tíquetes forem do setor que tem a melhor visualização da arena, no entanto, a compra vai para R$ 5,5 mil. E o deslocamento nas cidades do jogo pode custar apenas R$ 350 com o tíquete de transporte público mensal. Já o uso de táxi pode fazer esse valor saltar para R$ 910.

“Consideramos dois perfis de torcedores. O que quer ir gastando pouco e o que que quer fazer uma viagem com um pouco mais de luxo”, explicou Alvarez, dizendo que este segundo torcedor terá um bom hotel, refeições melhores, voos diretos, dinheiro para táxi, passeios turísticos e uma reserva de US$ 100/dia para fazer compras. Todos esses benefícios, no entanto, fazem com que o investimento necessário para que a ida a Copa seja uma realidade salte para R$ 500/mês.

“Com essas condições e liberdade de gasto, o orçamento total da viagem passa para R$ 34 mil”, calculou Alvarez, dizendo que todos esses cálculos consideraram um dólar de R$ 3,90. “É um valor alto, porque estamos em momento de incerteza agora. Então, a tendência é que isso se estabilize e atinja um patamar mais baixo”, considerou o CEO do GuiaBolso, indicando que, caso isso aconteça, os torcedores que seguirem este plano de investimento podem conseguir até uma verba extra para a viagem.Comprometimento Thiago lembra, contudo, que qualquer plano de investimento exige comprometimento.

“Não dá para começar e depois parar. Então, antes de começar, é importante se organizar financeiramente, entendendo quanto ganha e quanto gasta para poder fazer os ajustes necessários no orçamento”, recomendou o executivo, lembrando que o GuiaBolso pode auxiliar nesta missão, já que concentra todas as contas bancárias dos seus clientes em uma única plataforma. O aplicativo não ajuda, no entanto, na hora de o torcedor investir esse dinheiro. Por isso, Thiago recomenda que, depois do planejamento financeiro, os investidores procurem uma corretora independente e confiável. “Os bancos costumam cobrar mais caro pelos produtos”, explicou.

Veja também

Nova meta do governo prevê fibra ótica em 99% da cidades brasileiras
Tecnologia

Nova meta do governo prevê fibra ótica em 99% da cidades brasileiras

Dólar volta a R$ 5,40 com tensões no mercado externo
Câmbio

Dólar volta a R$ 5,40 com tensões no mercado externo