É o fim do currículo de papel?

Especialista orienta estudar o perfil da empresa antes de se candidatar presencialmente ou pela internet

Ao longo do final de semana, João visitou os municípios de São Bento do Una, Pesqueira, Poção, Arcoverde, Pedra e Garanhuns, Brejão, Terezinha, Paranatama e GaranhunsAo longo do final de semana, João visitou os municípios de São Bento do Una, Pesqueira, Poção, Arcoverde, Pedra e Garanhuns, Brejão, Terezinha, Paranatama e Garanhuns - Foto: Divulgação

 

Entre os caminhos para a conquista do emprego, uma é a mais utilizada por iniciantes e experientes em diversas áreas: o uso do banco de currículos online - aqueles famosos sites que abrigam informações profissionais do candidato por período determinado. Essa alternativa é tão comum quanto a do cadastro virtual disponível na página de grandes empresas para quem busca oportunidades preenchendo alguns campos de informação.

Nesse cenário tecnológico, engana-se quem acha ser mesmo o fim da tradicional forma de entregar currículo olhando nos olhos do futuro empregador. Segundo especialista em recursos humanos, vale estudar o perfil da empresa antes de disparar seus dados por todos os lados.
Para a psicóloga da área de RH, Auxiliadora Santos, o recru­tador não olha diferente pa­ra o candidato que seguir a op­ção virtual ou presencial. Na ver­dade, ele já direciona a vaga de acordo com o tipo de cargo. “A entrega pessoal de currículo é eficaz para muitas atividades operacionais, como oportu­nidades que exigem até o se­gun­do grau.

É diferente do meio online por onde são analisados diferentes pré-requisitos à função, geralmente mais complexa, uma praticidade que facilita a vida do recrutador”, explica. Mas como toda regra, há exceções, existe a chance de o candidato poder se mostrar pessoalmente durante a entrega do papel. É o caso de Kátia Al­buquerque, formada em administração, que se planeja com relação aos bairros mais próximos de onde mora para tra­çar sua rota diária.

“Faço uma seleção das empresas mais próximas entre elas e sigo adiante. Em média, 95% delas aceitam o currículo, as demais se recusam por direcionarem a seleção para a internet”, adianta ela que, presencialmente, consegue ter uma ideia das chances de ser chamada ou não.

Por outro lado, quem usa a web fica na ânsia de uma resposta mais imediata, como diz o tecnólogo em rede de computadores, Fábio Cunha, que, por anos, entregou CV presencialmente até se render às facilidades dos sites corporativos.

“No online existe a comodidade de poder colocar suas informações em vários lugares. No meu caso, em 100 tentativas por esse meio resultaram em, pelo menos, duas marcações de entrevistas”, acrescenta. A dica de Auxiliadora Santos é formatar suas informações de acordo com a vaga. “É preciso saber direcionar as habilidades em relação ao cargo. Seja no digital ou no papel, o contratante leverá em conta as noções sobre a atividade em questão”, completa.

 

Veja também

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros
Negócios

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros

Missa de Sétimo Dia de Luciano Fernandes de Albuquerque será nesta segunda
LUTO

Missa de Sétimo Dia de Luciano Fernandes de Albuquerque será nesta segunda