A-A+

É preciso alinhar Senado antes de enviar projeto de privatização, diz chefe da Eletrobras

Na sua avaliação, hoje a discussão sobre a privatização da Eletrobras está avançada na Câmara, mas ainda não há uma mobilização semelhante entre os senadores

EletrobrasEletrobras - Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Para levar o projeto de privatização ao Congresso, o Senado precisa estar alinhado com a proposta, disse o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira. "Não adianta você começar o debate na Câmara, se você não tem a segunda Casa com um nível de convergência semelhante, não impedindo. Porque senão todo o esforço feito na Câmara pode se perder", afirmou.

Ferreira participou nesta quarta-feira (29) do evento Latin America Investment Conference 2020, promovido pelo banco Credit Suisse.

Na sua avaliação, hoje a discussão sobre a privatização da Eletrobras está avançada na Câmara, mas ainda não há uma mobilização semelhante entre os senadores. "Há uma aceitação muito clara. Houve muito debate, [mas] houve menos no Senado. É preciso fazer isso".

Leia também:
Com privatização, Eletrobras pode mirar América Latina, diz presidente
Privatização da Eletrobras deve reduzir tarifas para os consumidores


Questionado sobre a previsão da privatização da empresa, Ferreira disse que, "sem dúvida, o projeto é fazer ainda neste ano".

Barrado no Senado

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse em dezembro que, se o governo não apresentar uma nova modelagem, não conseguirá aprovar a capitalização da Eletrobras.

Questionado, ele também defendeu que o governo mantenha a chamada golden share, ação que dá poder de veto à União em decisões sensíveis da empresa.

"A modelagem da capitalização não está sendo considerada boa para este momento. O governo [tem que] entender que, se não construir uma modelagem nova, não vai passar no Senado. Se mudarem a modelagem, pode ser que tenha apoio", afirmou Alcolumbre.

De acordo com ele, 48 senadores do Norte e do Nordeste são contra a capitalização da empresa no modelo que está proposto. O projeto de capitalização da Eletrobras foi entregue pelo governo ao Congresso no início de novembro. Demorou tanto para sair que a previsão de receitas decorrentes do processo de venda das ações em posse da União precisou ser retirada do Orçamento da União.

Apesar de atender a pleitos dos parlamentares, como a destinação de R$ 3,5 bilhões para a revitalização do rio São Francisco, o projeto corre o risco de ficar paralisado.

Veja também

Não há possibilidade de racionamento em 2021, diz ONS
Economia

Não há possibilidade de racionamento em 2021, diz ONS

Governo de Pernambuco libera eventos para 2,5 mil pessoas e estende horário até 1h
PLANO DE CONVIVÊNCIA COM A COVID-19

Governo de Pernambuco libera eventos para 2,5 mil pessoas e estende horário até 1h