Economia com congelamento salarial de servidores cai de R$ 130 bi para R$ 43 bi após lobby

O texto começou a tramitar no Senado e foi analisado pelos deputados nesta terça

Ministro da Economia, Paulo GuedesMinistro da Economia, Paulo Guedes - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

A proposta do ministro Paulo Guedes (Economia) para evitar reajuste salarial de servidores perdeu fôlego no Congresso. Até as votações desta terça-feira (5), a economia cairia a R$ 43 bilhões para União, estados e municípios até o fim de 2021.

A proposta inicial do governo federal previa impacto de R$ 130 bilhões. O texto começou a tramitar no Senado e foi analisado pelos deputados nesta terça. Com a volta do projeto à análise dos senadores, a equipe econômica ao menos parte da desidratação.

A queda na economia é resultado de lobby do funcionalismo e de uma rasteira de deputados governistas à iniciativa de Guedes. Funcionários públicos conseguiram blindar diversas categorias do congelamento salarial. A medida beneficiou inclusive setores da base de apoio do governo, como policiais.

Leia também:
Paulo Guedes aposta em Alcolumbre e centrão para driblar Rodrigo Maia
Guedes tenta convencer militares que privatizações podem atrair R$ 150 bi

Na lista de categorias poupadas, o Senado decidiu incluir na semana passada servidores da área de saúde, como médicos e enfermeiros. Foram contemplados também profissionais de segurança pública, como policiais militares e integrantes das Forças Armadas. Pelo texto do Senado havia uma ressalva.

O aumento de remuneração valeria apenas se o profissional atuasse diretamente no combate à pandemia do coronavírus. Com isso, a economia esperada com a medida após a primeira votação no Senado caiu para R$ 93 bilhões, segundo técnicos do equipe de Guedes.

Nesta terça, aliados de Bolsonaro, partidos independentes e de oposição se uniram em votação na Câmara e ampliaram a lista de exceções. Assim, passaram a ficar blindados do congelamento: policiais federais, policiais rodoviários federais, policiais legislativos, trabalhadores de limpeza urbana, de assistência social, agentes socioeducativos, técnicos e peritos criminais, professores da rede pública federal, estadual e municipal.

Além disso, os deputados, por larga maioria, decidiram permitir que seja concedido aumento a esses profissionais mesmo que não estejam atuando diretamente no enfrentamento à Covid-19.Com isso, o impacto da medida de Guedes foi a R$ 43 bilhões.

A queda, segundo técnicos, foi puxada pela blindagem a professores, que não estão na linha de frente das ações contra o novo coronavírus. Isso incomodou o governo.A derrota do ministro na votação da Câmara foi resultado de uma articulação capitaneada pelo líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), além de ministros do Palácio do Planalto.

Guedes defende a suspensão dos reajustes a servidores até o fim de 2021 como forma de que esses trabalhadores também sejam afetados pela crise econômica causada pelo novo coronavírus.

Além disso, fica vedado ampliar despesas obrigatórias, como aumentar o quadro de funcionários públicos. Deputados argumentaram que a medida impede que estados e municípios criem vagas, por exemplo, de médicos e enfermeiros em um momento de crise na saúde pública.

No entanto, técnicos do Ministério da Economia dizem que o projeto tem uma brecha para contratações de profissionais que trabalham no combate à Covid-19 durante o estado de calamidade, ou seja, até o fim de 2020.

A medida de ajuste fiscal está prevista no projeto de ajuda a governadores e prefeitos na pandemia.O plano aprovado pela Câmara -e que, após as alterações desta terça, precisa passar novamente pelo Senado- é um meio-termo entre a versão articulada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) em abril e a proposta inicial da equipe econômica.

O time de Guedes chegou a apresentar um pacote de socorro de R$ 77,4 bilhões, com R$ 40 bilhões de transferência direta. Mas isso foi considerado tímido pelo Congresso, principalmente diante do projeto de Maia que foi considerado pelo governo como uma pauta-bomba por, segundo o Tesouro Nacional, ter um potencial de gasto público acima de R$ 200 bilhões.

Assim, o Ministério da Economia cedeu e elevou a quantia de repasse direto a governadores e prefeitos para R$ 60 bilhões. Em contrapartida, era exigido o congelamento de salários de servidores estaduais e municipais. Guedes se comprometia a não conceder reajustes aos funcionários públicos federais.

Mesmo com o aumento do valor a ser repassado, o Congresso desidratou a medida de controle dos gastos com pessoal -uma forma de agradar as bases eleitorais.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Corte em crédito rural no Orçamento de 2021 ameaça agricultura familiar
Crédito Rural

Corte em crédito rural no Orçamento de 2021 ameaça agricultura familiar

Equipe de Guedes planeja corte na pasta de Marinho para atender ao Congresso
Economia

Equipe de Guedes planeja corte na pasta de Marinho para atender ao Congresso