Confira como a tecnologia e a inteligência artificial estão revolucionando o processo de seleção de talentos e ajudando empresas e candidatos a vagas de emprego
Confira como a tecnologia e a inteligência artificial estão revolucionando o processo de seleção de talentos e ajudando empresas e candidatos a vagas de empregoFoto: Greg Vieira / Arte FolhaPE

A busca por profissionais desempenhada pelos setores de recursos humanos ou gestão de pessoas é uma das atividades mais importantes para o sucesso das empresas. No entanto, a triagem manual de currículos, método ainda bastante utilizado, demanda muito tempo e recursos das organizações. Para transformar esse cenário, a tecnologia tem auxiliado na tarefa de selecionar o perfil de talento correto para as necessidades das empresas. A Folha de Pernambuco apresenta algumas ferramentas digitais que prometem quebrar antigos paradigmas do mundo do trabalho.



Aplicativos como o Peoplenect - que promove o "match" entre candidatos e empresas - e a plataforma Recruta aí, projetada para usar a inteligência artificial na digitalização humanizada do processo de recrutamento são ideias que propõem um novo conceito aos processos seletivos.

"O aplicativo funciona baseado nos seus algoritmos inteligentes. Tanto a empresa quanto o profissional cadastram rapidamente seus dados e os algoritmos embarcados ativamente colocam os empregadores e profissionais em contato", explica Guilherme Ramos, COO da empresa paulista Peoplenect. O aplicativo usa a geolocalização para conectar empresas e candidatos.

Criada em outubro de 2018 em uma startup embarcada no Porto Digital, a Recrut.AI é uma plataforma que pode ser usada por empresas para agilizar a triagem de currículos. Para Karol Branco, COO e sócia fundadora da empresa recifense, os setores de recursos humanos precisam acompanhar a evolução digital. "O RH é uma área que ficou um pouco para trás nessa transformação digital e chegou o momento de inserir tecnologia para tornar esses profissionais mais estratégicos", afirma. "As pessoas são os insumos principais que transformam os resultados das empresas e precisamos eliminar as atividades que não agregam valor, as atividades operacionais, repetitivas. O legal é encontrar as pessoas que têm a ver com a vaga e investir o tempo conhecendo elas. Somos uma plataforma de inteligência artificial que recruta encontros e talentos certos", diz.

A ferramenta também foi desenvolvida para tornar o processo mais humanizado aos candidatos que a utilizam. Com esse conceito de avaliação da ferramenta, verificou-se, por exemplo, um maior número de mulheres e pessoas com mais de 50 anos entre os selecionados, público que geralmente fica em desvantagem nas seleções de emprego.

Como funciona

O primeiro passo é o cadastramento de currículos em qualquer formato. Depois, é feito um questionário com perguntas subjetivas como "conte um pouco sobre o bairro em que você nasceu" ou "o que você pretende fazer quando se aposentar?". A partir do padrão de respostas, a inteligência artificial vai avaliar, por meio de uma análise léxica, aspectos que ficam nas entrelinhas, padrões de linguagem, entre outras variáveis. "São perguntas naturais que incitam também o candidato a pensar e refletir sobre eles e dar informaçoes ao avaliador que eles nem sabem que estão dando. A ideia é aliar a tecnologia à humanidade", diz Patrick Gouy, CEO e co-fundador do Recrut.AI.

Detalhes que muitas vezes são negligenciados pelas empresas como o feedback a todos os candidatos e o momento certo para informar aqueleles que conseguiram a vaga - a plataforma evita enviar essa mensagem às sextas-feiras - contribuem para criar empatia entre empresas e profissionais. "A Recrut.AI surgiu no entuito de ajudar os recrutadores a identificar os melhores talentos, mas também ajudar os candidatos a passarem por um processo seletivo mais humano. A tecnologia tenta entender as pessaos como elas são para tornar o processo mais natural", explica Patrick.

Karol Branco e Patrick Gouy, sócios fundadores da Recrut.AI, usam a inteligência artificial para humanizar recrutamentos

Karol Branco e Patrick Gouy, sócios fundadores da Recrut.AI, usam a inteligência artificial para humanizar recrutamentos - Crédito: Artur Mota / Folha de Pernambuco

comece o dia bem informado: