Nessa época, muitas empresas precisam repor o quadro de estagiários por conta da conclusão de curso ou término do contrato
Nessa época, muitas empresas precisam repor o quadro de estagiários por conta da conclusão de curso ou término do contratoFoto: Arte / Folha de Pernambuco

Se ao longo do ano foi difícil encontrar um estágio, com o mês de janeiro batendo a porta volta a chance de os estudantes conseguirem sua primeira colocação no mercado. É que nessa época, muitas empresas precisam repor o quadro de estagiários por conta da conclusão de curso ou término do contrato desses universitários. É a hora de recuperar o fôlego, preparar o currículo e cair em campo.

Para ter uma ideia, pesquisa recente do Centro de Integração Empresa e Escola (CIEE), que entrevistou 213 mil futuros profissionais de todo Brasil, afirma que, sim, os estudantes possuem 25% mais chances de conquistar uma vaga no 1° trimestre do ano.

“Temos o chamado período de sazonalidade, quando são encerrados contratos de estágio e aprendizagem, então essas vagas ficam novamente disponíveis”, adianta Lilene Ruy, supervisora de inclusão social e especialista de processo personalizado do CIEE.

Leia também:

Segundo ela, o primeiro passo é preparar o currículo. “O recrutador precisa de informações atualizadas e concisas. Não adianta incluir dados antigos ou que não destacam aspectos do candidato que são vantajosos para a vaga em questão”. Neste quesito, algumas dicas são manter os dados principais sempre corretos, como telefone, e-mail e perfil em redes sociais, bem como status civil e residência.

Também não se deve inventar informações que não existem, como cursos ou estágios anteriores, pois elas certamente serão checadas pelo recrutador. Por fim, nunca misture informação pessoal com profissional, colocando no CV uma experiência internacional quando a viagem ou o intercâmbio foi apenas turismo. O mesmo vale para cursos livres, como artesanato ou pintura, que não agreguem ao perfil da vaga.

De acordo com a coach Cristiane Souza, a demonstração de competência do candidato na hora do recrutamento também faz a diferença. “Adaptabilidade e flexibilidade, por exemplo, são importantes porque demonstram dedicação e aceitação de novas atividades. Boa comunicação, tanto verbal quanto escrita, além de capacidade de trabalhar em equipe e habilidade de se relacionar positivamente com o grupo, mais autoconfiança, energia e bom humor”, resume.

Ainda segundo a especialista, antes de sair atirando para todos os lados, ou se aventurando em todos os tipos de seleção, vale definir o foco e se adaptar a ele. “Articule estágios na própria instituição de ensino superior ou em órgãos de governo, seja na Esfera Municipal, estadual ou federal. Além disso, busque aplicativos de estágios, porque algumas empresas apresentam programas nessas plataformas”, completa Souza.

comece o dia bem informado: