Conheça a matriz SWOT, ferramenta de gestão estratégica de empresas que também pode ser usada no planejamento e desenvolvimento de carreira
Conheça a matriz SWOT, ferramenta de gestão estratégica de empresas que também pode ser usada no planejamento e desenvolvimento de carreiraFoto: Arte FolhaPE

A promoção no emprego é uma das metas mais buscadas no mundo corporativo, mas nem sempre esse reconhecimento chega de forma imediata. Muitos se perguntam porque não conseguem ser promovidos, apesar dos esforços empregados para esse objetivo. Para ajudar a aumentar as chances de crescimento na carreira, a Folha de Pernambuco apresenta uma ferramenta de planejamento muito usada na gestão de empresas que pode ser muito bem empregada para criar um plano de ação profissional focado no desenvolvimento profissional.



A matriz SWOT é utilizada para traçar o planejamento estratégico de empresas e novos projetos. A sigla SWOT significa: Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças). No Brasil, a técnica também é conhecida pela sigla “FOFA”. A técnica é atribuída a Albert Humphrey, pesquisadorda Universidade de Stanford nas décadas de 1960 e 1970. Consiste na avaliação de forças e deficiências que podem levar à oportunidades para a empresa ou abrir espaço para ameaças no mercado.

Trazendo a ferramenta para o campo pessoal dentro de uma empresa, podemos usar esse conhecimento de gestão estratégia para identificar o caminho que precisa ser percorrido até a promoção no emprego. Esse diagnóstico é difícil de ser feito, pois nem todos gostam ou sabem elencar as próprias fraquezas. Numa entrevista de emprego, por exemplo, para descrever os próprios defeitos, muitos apontam o "perfeccionismo", atributo que não é necessariamente negativo. É compreensível que as fraquezas não possam transparecer nas entrevistas de emprego, mas conhecê-las é o primeiro passo.

“A empresa que é atuante tem um plano de carreira. Antenado com isso, o colaborador precisa estar pronto para quando a oportunidade surgir. Porque ele tem a possibilidade de seguir esse plano de carreira e, ao logo desse período que está em um cargo abaixo, pode se preparar para quando surgir a oportunidade ele possa ser aproveitado e a empresa não precise buscar no mercado”, explica o consultor em Gestão de Pessoas e coach de carreiras, André Felipe Siqueira.

Segundo André, assim como as organizações, os profissionais também precisam ter um plano estratégico. “Quando a pessoa não sabe a necessidade do cargo nem tem um planejamento de carreira, não valoriza o seu capital intelectual e humano”, avalia.

“Além do plano de carreira, ele precisa ter um plano de capacitação. A própria empresa muitas vezes banca ou divide com o colaborador o custo para fazer cursos fora, e etc”, sugere André Felipe. Esse investimento é o que vai torná-lo apto a alcançar cargos mais elevados. “Qual é o desfaio para o profissional que deseja a promoção? É tornar os pontos fracos em pontos fortes”, diz o consultor.

Após identificar e listar os pontos fortes e fracos, é preciso trabalhar as deficiências fazendo um plano de ação. Com isso, as ameaças externas, ou seja, profissionais mais capacitados no mercado, ficam menores e aumentam as chances de atingir a promoção.

“quando a pessoa não sabe a necessidade do cargo nem tem um panejamento de carreira, não valoriza o seu capital intelectual e humano. o desafio é tornar pontos fracos em pontos fortes”

“quando a pessoa não sabe a necessidade do cargo nem tem um panejamento de carreira, não valoriza o seu capital intelectual e humano. o desafio é tornar pontos fracos em pontos fortes” - Crédito: Leo Malafaia / Folha de Pernambuco

 

infográfico

Crédito: Arte FolhaPE

 

 

comece o dia bem informado: