Procurar uma colocação no mercado exige paciência e estratégia. Confira algumas dicas que podem lhe ajudar no objetivo de conseguir o tão almejado trabalho
Procurar uma colocação no mercado exige paciência e estratégia. Confira algumas dicas que podem lhe ajudar no objetivo de conseguir o tão almejado trabalhoFoto: Alfeu Tavares / FolhaPE

Procurar emprego é uma tarefa árdua e muitas vezes frustrante. E após meses e anos sem conseguir trabalho, muitas pessoas simplesmente desistem de tentar se recolocar no mercado. Nesta edição, a Folha de Pernambuco apresenta dicas para incentivar e ampliar as chances na busca por recolocação profissional.



No quarto semestre de 2019, enquanto o Brasil registrou um total de 4,620 milhões de trabalhadores desalentados (que desistiram de procurar emprego), o Nordeste tinha quase três milhões de pessoas nessa mesma situação. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), havia 2,869 milhões de desalentados na região nesse período. O número mostra um crescimento de 57 mil pessoas que desistiram de procurar trabalho em um ano.

Diante desse quadro de desemprego e profunda crise econômica, é preciso ter estratégia e desistir é levar a zero suas chances de conseguir trabalho. “O Brasil vem passando ultimamente por algumas crises econômicas, políticas e no ambiente corporativo e empresarial não é diferente. E a consequência inevitável disso é a falta de emprego que gera uma leva de profissionais que estão completamente fora do mercado e sem expectativa de voltar. Isso tem reflexos na economia e na saúde emocional da população que precisa saber como sair dessa situação”, avalia o professor e coach Dionízio Costta Jr.

Segundo Dionízio, o primeiro passo é conhecer as próprias potencialidades. “Em situações como essa é necessário fazer uma reflexão profunda sobre suas competências e qualidades para usar isso como um diferencial competitivo”, orienta. “Saber quais são os recursos técnicos e profissionais e habilidades que nós temos para oferecer ao mercado de trabalho, mesmo que ele não esteja aquecido. Conseguir entender quais são suas capacidades para que isso se transforme em uma aceleração de performance e, consequêntimente, na volta ao mercado”, completa.

Além de conhecer as habilidades que já possui, é indicado buscar qualificação profissional. “O investimento na formação e na qualificação formação nunca é em vão. Procure cursos para que seja um diferencial. É muito importante que nesse momento você entenda suas habilidades e saiba exatamente quais são os recursos que estão sendo esperados pelo empregador”, sugere.

Continuar a procurar emprego em sua área ou cogitar mudar de profissão encontrando outras áreas de interesse, estudar para concursos ou mesmo empreender são alternativas que podem ser levadas em conta. O mais importante, segundo Dionízio, é manter-se estimulado e determinado a se recolocar no mercado.

No entanto, as oportunidades não caem do céu. As vagas de emprego não serão ofertadas para aqueles que desistiram de procurá-las. “Se a gente não procuira, não acha. Por mais que às vezes as condições circunstanciais não sejam favoráveis, não procurar se reinventar para ofertar habilidades e talentos para ter expectativa de futuro de crescimento profissional e pessoal é a pior alternativa. Ou seja, continue procurando. Não é uma alternativa desistir.

Dionízio Motta Jr, professor e coach

Dionízio Motta Jr, professor e coach - Crédito: Leo Malafaia / Folha de Pernambuco

info

Crédito: Arte FolhaPE


 

comece o dia bem informado: