Presidente da Petrobras, Pedro Parente
Presidente da Petrobras, Pedro ParenteFoto: Agência Brasil/Arquivo

A direção da Petrobras iniciou nesta quarta (30) uma ofensiva com seus empregados para defender a política de preços dos combustíveis, que se tornou alvo de ataques após a escalada do preço do petróleo, culminando com a paralisação dos caminhoneiros em todo o país.

Em uma série de vídeos publicados na rede interna da estatal, seu presidente, Pedro Parente, e outros executivos explicam a aplicação da política e a gestão das refinarias da empresa, acusada por sindicalistas de privilegiar a importação de produtos dos EUA.

Os vídeos são divididos por temas: preço dos combustíveis, gestão de refinarias e custo de produção do petróleo, além da mensagem de Parente sobre o cenário atual e as críticas à gestão da companhia. "Nossa empresa está passando por um teste importante", diz Parente em seu vídeo, gravado em estilo de propaganda política, no qual aparece de colete e gravata tendo como fundo uma janela que mostra o icônico edifício sede da empresa, no centro do Rio.

Leia também:
Temer sanciona reoneração com veto a isenção de imposto sobre diesel
Procon-PE divulga regras para abastecimento em postos de gasolina


O teste, diz, refere-se a "um aspecto importante daquilo que a gente está fazendo, que é a política de preços". "Está sendo muito questionada, nem tanto pelos valores, mas também uma discussão relacionada à frequência dos nossos reajustes", continua.

Em acordo com os caminhoneiros nesta semana, o governo determinou que os reajustes no preço do óleo diesel passam a ser semanais, e não mais diários, como vem ocorrendo desde julho de 2017.

"Eu quero dizer para vocês que a frequência não foi uma escolha caprichosa da diretoria", afirmou, repetindo conceito usado com analistas de mercado na segunda (28). "Quando a gente faz reajustes mensais, a gente fica exposto a perda de participação de mercado."

Em outro vídeo, o gerente de marketing e comercialização da empresa, Guilherme França, Guilherme França, tenta responder a "uma pergunta que é feita diariamente pela internet, pelos nossos colegas de trabalho, pelos nossos colegas de vida, enfim, da escola dos nossos filhos, dos nossos amigos".

Em sua fala, ele defende que os preços da Petrobras não são maiores que no exterior e reforça que a alta carga tributária é que faz os produtos ficarem caros na bomba. A política de preços é um dos temas da greve dos petroleiros iniciada nesta quarta (30).

Eles acusam Parente de forçar a venda a preços internacionais para permitir a entrada de concorrentes no mercado brasileiro e alegam que a política reduz a utilização das refinarias nacionais (leia na pág. B5).

"Ailás, pessoal, não tenho, não, o poder de definir a carga das refinarias. Isso é um sistema bastante complexo, é uma coisa que foi feita na empresa que procura otimizar a produção em todas as nossas refinarias em função da demanda, em função do tipo de óleo, em função do que a gente consegue vender no mercado", defendeu Parente. Ele termina seu vídeo citando realizações da gestão como redução do endividamento e dos indicadores de acidentes.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: