Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab
Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto KassabFoto: Pedro França/Agência Senado

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, manifestou preocupação com a falta de recursos do governo federal para o desenvolvimento da ciência. Kassab participou nesta segunda (30) do IV Simpósio de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha, na capital paulista.

Leia também:
Sem ciência nem pesquisa, nosso futuro se desconstrói
Audiência pública discute transparência nos recursos para a saúde
Governo lança edital de R$ 9,7 milhões para 50 startups de tecnologia


“Temos uma preocupação grande em relação ao final do ano, preocupação em relação aos recursos que podem não ser suficientes para que a gente possa atingir os objetivos definidos. E uma preocupação ainda maior em relação a 2018, que está muito aquém do necessário para que a gente possa continuar os trabalhos que estão sendo desenvolvidos”, disse.

De acordo com Kassab, todas as linhas de pesquisas financiadas com recursos federais poderão ser descontinuadas. “Seria uma grande perda para o Brasil, ou porque perderíamos pesquisas importantes ou quadro [pesquisadores], que ao perderem aqui a condição de desenvolverem as suas atividades, passariam a se deslocar para o exterior”, alertou.

Investimento privado

Para o ministro, uma das saídas para a falta de recursos são as parcerias. “O setor privado, cada vez mais, investe mais na ciência, tecnologia, inovação. Não apenas na Marinha, mas todos os setores vinculados ao desenvolvimento brasileiro. Porém, há certo tipo de investimento que demanda apenas recursos públicos, o capital privado não se interesse com alguns estudos necessários para o desenvolvimento do país. Aí entra a importância da mobilização da sociedade”.

Leal Ferreira, almirante de esquadra, destacou a importância de parcerias também com a academia. “Há mais de 60 anos que a Marinha trabalha com a academia. O convênio que nós tivemos com a Universidade de São Paulo [USP] permitiu a crianção do curso de engenharia naval em São Paulo, que existe até hoje, e vários outros convênios com outras universidades”, lembrou.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: