Isaltino Nascimento, presidente da Frente Parlamentar na Alepe
Isaltino Nascimento, presidente da Frente Parlamentar na AlepeFoto: Roberto Soares/Alepe

Para levar adiante a discussão sobre a Medida Provisória (MP) 844, que estabelece um marco para o saneamento no Brasil, foi criada a Frente Parlamentar em Defesa do Saneamento Público. Formada por 15 deputados estaduais, o grupo vai trabalhar para que a MP não seja aprovada. A criação da Frente foi realizada ontem na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) com a presença de funcionários da Compesa, do Sindicato dos Urbanitários de Pernambuco, além de deputados federais.

De acordo com o deputado estadual Isaltino Nascimento, presidente da Frente, o próximo passo será definir o cronograma de atuação do grupo. “A privatização do sistema de saneamento vai ser ruim para o cidadão, que pode provocar aumento na conta de água, além de prejudicar o setor produtivo. Vamos mobilizar a sociedade organizada, os prefeitos e a Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe)”, defendeu Nascimento, ao informar que no dia 30 deste mês será realizado um ato em defesa da Compesa em frente à sede do órgão.

Nacionalmente, também já há a Frente Parlamentar com atuação no Congresso Nacional para dar força ao movimento contra a MP. “A discussão sobre a privatização do saneamento precisa ser profunda, não pode ser através de uma MP”, defendeu o presidente da Frente, o deputado federal Danilo Cabral, ao complementar que o grupo é um instrumento de mobilização dentro do Congresso para canalizar o debate. Foram colhidas 225 assinaturas de apoio de parlamentares contra a MP e 13 emendas foram apresentadas por Cabral.

Leia também:
MP estabelece novas regras para saneamento básico no país
Saneamento fica mais longe para as cidades pobres com nova MP, avalia setor

Segundo Nascimento, a medida prejudica os municípios menos rentáveis de Pernambuco, que são a maioria. “Os municípios que não são sustentáveis em si vão ter dificuldade no acesso ao serviço, já que as empresas privadas não vão ter interesse em investir nessas localidades”, explicou o deputado.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: