Pierre Lucena e Francisco Saboya
Pierre Lucena e Francisco SaboyaFoto: Beto Oliveira / Divulgação

O Porto Digital entra em uma nova fase a partir desta quinta-feira (1º). Após 11 anos sob o comando do economista Francisco Saboya, o parque tecnológico ganha um novo presidente - o administrador Pierre Lucena - e também a certeza de que não pode mais depender de recursos públicos para crescer, já que a crise fiscal reduziu as verbas federais destinadas à inovação.

Leia também:
Porto Digital quer dobrar de tamanho
Porto Digital vai participar da restauração do Liceu
Pierre Lucena quer ampliar área do Porto Digital para o bairro de Santo Antônio
Pierre Lucena vai assumir a presidência do Porto Digital
Francisco Saboya deixará presidência do Porto Digital


“O foco será no privado”, confirmou Lucena, que tem a missão de dobrar o parque tecnológico nos próximos cinco anos, chegando a 20 mil pessoas, 600 empresas e R$ 3 bilhões de faturamento. “Será um novo momento para o Estado brasileiro e nós trabalhamos com a perspectiva de muito pouco recurso público. Sabemos da situação do Estado brasileiro e isso não deve se modificar em dois anos”, justificou o administrador, ao ser questionado sobre a expectativa de relacionamento com o novo governo brasileiro, que está sendo montado por Jair Bolsonaro (PSL).

“O Brasil vive uma crise fiscal. E isso gerou um problema que se apresenta, não só para o Porto Digital, mas para toda incubadora, aceleradora e ambiente de inovação, que é o esgotamento da capacidade fiscal do Estado de financiar o desenvolvimento de políticas públicas voltadas ao empreendedorismo e à inovação. Então, está correta a leitura de que o Porto vai crescer pelo privado”, confirmou Saboya, destacando que o parque tecnológico tem a equipe, a estratégia e os recursos necessários para tocar essa empreitada com o empresariado.

Francisco Saboya disse até que a parceria com a iniciativa privada pode ajudar o Porto Digital a destravar projetos que estão parados há anos, devido à falta de recursos públicos, como a construção do Armazém da Criatividade de Petrolina. “Talvez o projeto não saia na configuração original. Mas podemos criar um mecanismo que promova o empreendedorismo sob outra lógica, a lógica privada", afirmou o economista, que, com a saída do Porto Digital, também volta ao mercado com uma empresa de consultoria voltada à inovação e às estratégias digitais.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: