Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do presidente chinês, Xi Jinping
Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do presidente chinês, Xi JinpingFoto: Jim Watson / AFP

A China anunciou nesta quinta-feira (6) que implementará "imediatamente" as medidas acordadas para uma trégua comercial com os Estados Unidos. "A China implementará imediatamente o consenso que ambas as partes alcançaram sobre produtos agrícolas, energia, automóveis e outros artigos específicos", afirmou o porta-voz do ministério do Comércio, Gao Feng.

A declaração foi feita cinco dias depois da reunião dos presidentes dos dois países, Donald Trump e Xi Jinping, à margem do G20 em Buenos Aires, destinada a apaziguar a guerra comercial entre as duas maiores economias mundiais.

O ministério chinês das Relações Exteriores havia prometido na quarta-feira (5) começar a trabalhar nos "pontos de consenso" alcançados com os Estados Unidos e "quanto mais rápido, melhor", sem entrar em detalhes.

Leia também:
Trump quer trabalhar com China e Rússia para frear corrida armamentista
Sob a sombra da guerra EUA-China, G20 é teste para Macri
Comissão de tecnologia da China prospecta novas parcerias em Pernambuco


Desde sábado, quando Pequim e Washington anunciaram uma trégua no conflito comercial, apenas a parte americana havia apresentado detalhes sobre os "pontos de consenso".

Donald Trump abriu a porta para prolongar as negociações com a China, sugerindo uma possível prorrogação além dos 90 dias para alcançar um acordo e evitar assim um aumento das tarifas.

Gao Feng citou nesta quinta-feira os setores envolvidos nos pontos de consenso, mas não explicou as medidas que serão adotadas. De acordo com um porta-voz, as negociações bilaterais devem concentrar-se especialmente na proteção da propriedade intelectual, cooperação tecnológica, acesso aos mercados e um mercado equilibrado.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: