Fintechs têm boas taxas de juros na concessão de investimentos rentáveis
Fintechs têm boas taxas de juros na concessão de investimentos rentáveisFoto: Paullo Alemida / Folha de Pernambuco

Sem burocracia. Esse é um diferencial das Fintechs, empresas que unem a tecnologia com soluções financeiras para os usuários. Só no Brasil existem cerca de 600 fintechs e milhares de usuários que utilizam as plataformas, seja para ter acesso a crédito, realizar pagamentos, contratar seguros e até mesmo realizar investimentos.

Segundo o diretor da Associação Brasileira de Fintechs, Diego Perez, quando as empresas desse ramo começaram a surgir em 2016 não se tinha uma centena no Brasil, e hoje o número já passa de 600, de um serviço que conta com tecnologia e mais facilidade para o usuário. “É uma empresa que oferece um serviço financeiro por meio da tecnologia e de um meio escalável, onde é possível expandir ou aumentar os ganhos sem a necessidade de que isso passe por um aumento nos custos. O principal atrativo das fintechs, como elas fazem uso da tecnologia para atração, é que o cliente pode fazer o uso de acordo com a sua necessidade, a disponibilidade, que às vezes precisa de um recurso imediato”, contou.

Segundo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o Brasil é um dos países com o maior número de fintechs, eram 380 até o fim de 2018, enquanto em 2017 existiam apenas 230 dessas empresas.

Diego destaca ainda o fator de se adequar ao que o cliente precisa é um benefício para essas empresas, podendo ter um plano adequado para cada cliente. “Uma instituição financeira mais tradicional, ela tem uma estrutura grandiosa, e um custo, ela precisa cobrir os custos dela. As fintechs, que estão disponíveis em nuvem, por exemplo, tornam esse custo bem mais baixo. Ela consegue adequar a necessidade do cliente de maneira mais eficiente”, destacou.

De acordo com o planejador financeiro e embaixador para o Norte e Nordeste da Associação Brasileira de Planejadores Financeiros, Paulo Marostica, entre as principais vantagens dos serviços são melhores taxas de crédito e condições para investimento mais rentáveis. “As fintechs estão com bancos digitais, onde não se tem agência, taxa de manutenção e com créditos mais fáceis para os clientes, que possibilita elas competirem com os tradicionais bancos. É uma iniciativa boa e estimulam a desintermediação financeira, onde elas buscam facilitar, ajudando os consumidores”, contou.

Apesar de todos os atrativos das fintechs é preciso que os usuários tenham alguns cuidados antes de contratar o serviço segundo Paulo. “Como todo mercado, temos que ter cuidado com as fraudes, pois tem muita gente com intenções ruins, como esquemas de pirâmides para atrair pessoas que buscam resultados rápidos. Tudo novo gera uma assimetria de informações, uma coisa nova muitas vezes pode enganar”, afirmou Marostica.

Uma das fintechs mais conhecidas, é a Nubank, que surge com a proposta de ter maiores atrativos para os clientes, estimulando assim a competitividade do mercado. Entre os diferenciais da empresa, estão condições como uma conta sem cobrança de taxa de manutenção e tarifas, autonomia para o cliente escolher as condições do cartão de crédito a qualquer momento, e a não cobrança de taxa de anuidade.

Em Pernambuco, uma das fintechs encubadas pelo Porto Digital é a BitJá, que iniciou as atividades ainda em 2018, mas já contam com um crescimento de 22% no número de usuários por mês, e já contam com mais de mil pessoas conectadas em uma plataforma com mais de 20 criptomoedas em 10 mercados. “Esse mercado é considerado o novo braço do mercado financeiro, o volume vem aumentando e as pessoas interessadas, para se ter ideia temos clientes em todo o Brasil, mas principalmente em São Paulo. O nosso foco é na criptomoeda, desenvolvemos uma tecnologia que monitora esse mercado de bolsas para que o cliente faça o seu investimento e tenha retorno”, contou.

Outro caso de fintech que prova o crescimento do mercado é o da BMP Money Plus, que possui dez anos de atuação no mercado de crédito e tecnologia. Hoje a expectativa da empresa é a de atingir 500 mil clientes em todo o território nacional nos próximos 12 meses, gerando um volume de crédito de R$ 3 bilhões. Só no ano passado a empresa realizou mais de R$ 250 milhões em empréstimos.

De acordo com o CEO da BMP Money Plus, Carlos Benitez, é preciso que as fintechs tenham atenção maior com o que estão dispostas a oferecer aos clientes. “Acho que a visão tem que ser mais do que a instituição financeira pode oferecer para o cliente, não dá mais para ter sempre o mesmo aplicativo para emprestar, é oferecer para o cliente o que ele quer. O aplicativo tem que ser fácil e intuitivo para facilitar o entendimento do cliente”, contou Benitez.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: