Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair BolsonaroFoto: Divulgação/Palácio do Planalto

Sem mencionar o possível recuo do governo americano quanto ao apoio à entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o secretário de política externa comercial e econômica do Itamaraty, Norberto Moretti, disse nesta quinta-feira (10) que o país mantém a decisão de integrar a organização.

"O processo [de entrada à OCDE] não é simples, e não é meramente técnico, é político. Independentemente disso, mantém-se a decisão do governo brasileiro em integrar a OCDE", afirmou a uma palestra de empresários e executivos no Fórum de Investimentos Brasil, em São Paulo.

Para o diplomata, "é via convergência regulatória crescente que nos integraremos a economia brasileira à mundial" e à OCDE.  Moretti diz que o Brasil entende que a Organização Mundial do Comércio (OMC) é importante e afirmou que os países latino-americanos defendem o tratamento especial a países em desenvolvimento, uma condição da que o governo Bolsonaro abriu mão para em troca do apoio dos EUA ao seu ingresso na organização.

Leia também:
Governo Trump apoia Argentina no lugar do Brasil para OCDE
EUA não vão mais apoiar o ingresso do Brasil na OCDE, diz agência 

O diplomata, contudo, diz que há países da região dispostos a discutir uma flexibilização das regras de tratamento especial. O secretário especial de de Comércio Exterior, que participou da mesa de debates com Moretti, não fez comentários sobre o tema.

Reação à carta do governo Trump
Para pessoas familiarizadas com as negociações para a entrada do Brasil nos Estados Unidos, a carta do secretário de Estado americano Mike Pompeo ao secretário-geral da OCDE, Angel Gurria, não significa uma oposição de Trump ao ingresso do Brasil na organização.

Segundo eles, há uma disputa entre americanos e europeus sobre os critérios de entrada na organização, bem como uma avaliação do governo Trump de que a atual gestão da OCDE é muito europeizada.

Uma hipótese aventada por essas fontes é a de que a adoção do critério cronológico de entrada na OCDE, defendido pelos EUA na carta a Gurria, poderia beneficiar o governo Macri, que enfrenta dificuldades em meio a um período eleitoral. Ao mesmo tempo, limitaria a entrada de mais países europeus até a troca de comando da organização, que será em 2020.

A participação do secretário-geral adjunto da OCDE, Ludger Schuknecht, no Brasil, e sua fala elogiosa sobre o processo de reformas econômicas promovidas pelo governo Bolsonaro são tidas como sinal de que não há resistências entre os países-membros da organização ao ingresso do país.

veja também

comentários

colabore com a folha

comece o dia bem informado: