Movimentação no comércio
Movimentação no comércioFoto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Com mais feriados do que em 2019, o próximo ano deve ser de prejuízo para o varejo nacional. Estimativa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP), que não leva em consideração os feriados e imprensados estaduais e municipais, diz que com 11 feriados, quatro a mais do que neste ano, o setor deve deixe de faturar R$ 11,8 bilhões. De acordo com a entidade, o montante é 53% maior do que os R$ 7,6 bilhões estimados em 2019.

Ainda segundo a projeção da Fecomércio, o setor que deve contabilizar maior perda será o que contempla o comércio de combustíveis, joias e relógios, artigos de papelaria. Pelo levantamento, este deverá perder cerca de R$ 4,48 bilhões. Outros que deverão sentir o impacto dos feriados de 2020 serão os segmentos de supermercados e farmácias. O primeiro com perdas em torno de R$ 3,2 bilhões e o segundo com R$ 1,87 bilhão a menos no faturamento anual. Na comparação com o ano corrente, o aumento no percentual de perda desses setores em relação a 2019 representa, respectivamente, 58% e 59%.

Leia também:
Varejo pernambucano deve gerar 4,3 mil postos de trabalho temporário
Comércio do Recife abrirá aos domingos e feriados para compras de Natal

  
Os demais segmentos que devem deixar de faturar com os feriados e imprensados são: vestuário, tecidos e calçados (-46%), com R$ 1,1 bilhão; e móveis e decoração (-61%), com montante atingido de R$ 1 bilhão. “O comércio é atingido porque os feriados retiram grande parte da população dos centros comerciais, principalmente se for prolongado, caindo na sexta ou segunda. Isso faz com que as vendas planejadas e por impulso caiam, o que reduz o volume de vendas do comércio”, analisa o economista da Fecomércio em Pernambuco, Rafael Ramos.

Contudo, segundo o economista, mesmo considerando o impacto dos feriados em 2020, a projeção econômica para o próximo ano é bastante positiva. “Se espera crescimento acima de 2%, recuperação do emprego e da renda, o que consequentemente beneficia o comércio. Claro que se o ano tivesse menos feriados contribuiria ainda mais, mas mesmo com essas pausas paralisando os centros comerciais, é muito provável que o desempenho do comércio ainda seja superior ao deste ano”, revela Ramos.

Embora o estudo da Fecomércio não analise a transferência de renda para outros setores, sobretudo o turismo, deve receber um impacto positivo dos feriados a mais no próximo ano. “Se por um lado as vendas do varejo caem, do outro há aquecimento no turismo. O setor, que tem um faturamento médio mensal de R$500 milhões, ganha com a movimentação a mais nos segmentos de alimentação, hotelaria, transporte, lazer e cultura, em especial, nos feriados nacionais”, ressalta Rafael Ramos.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: