Indústria da Betânia na cidade de Pedra, em Pernambuco
Indústria da Betânia na cidade de Pedra, em PernambucoFoto: Divulgação

Uma iniciativa vai levar desenvolvimento econômico e social a produtores de leite de Pernambuco. Por meio do Instituto Luiz Girão, a indústria Betânia Lácteos irá promover ações de fomento à pecuária de leite regional de forma sustentável. Inaugurado na semana passada, o Instituto prevê atividades que possam levar assistência técnica e financeira aos produtores. Segundo a Betânia, está previsto um investimento de R$ 1,5 milhão para ações no Instituto no próximo ano, com financiamento da Betânia. A partir do terceiro ano de trabalho, a expectativa é investir R$ 10 milhões por ano em ações, com recursos do próprio Instituto.

De acordo com o presidente do Instituto, David Girão, a entidade vai atuar fortemente no Semi-árido nordestino para ser parceiro do produtor e de toda sua família. “O Instituto nasce para ser parceiro do produtor nordestino principalmente em regiões com renda inferior, baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e dificuldades em relação às condições climáticas. Então podemos levar renda e qualidade de vida para o campo”, registrou Girão. Além de Pernambuco, o Instituto alcançará cidades nos estados do Ceará, Sergipe e Bahia.

Leia também:
Bacia leiteira recebe novos incentivos
Preço da carne puxa inflação para 0,51% e novembro tem pior mês em 4 anos
Máxima histórica do preço da carne é ponto fora da curva, diz CNA

Ainda segundo ele, a Betânia já tem trabalho de fomento ao produtor, mas, com o Instituto, poderá ser feito mais. “Podemos fazer um trabalho ainda melhor e intensificar o acesso ao crédito, a ferramentas de gestão e ampliar o conhecimento”, complementou o presidente da entidade.

O trabalho do Instituto prevê atividades de conhecimento e informação. Por exemplo, serão promovidos dias de campo para levar aprendizado de plantio aos produtores. Além disso, serão realizados eventos mensais com temáticas ligadas ao setor, como suporte alimentar para os animais, gestão da propriedade, melhoramento genético e qualidade do leite. E ainda haverá a criação de uma escola para formar mão de obra rural do leite.

Serão também executadas atividades de crédito. Haverá financiamento de animais para que os produtores possam pagar o financiamento em quantidade de leite. Além disso, a Betânia pretende ampliar o canal de comunicação on-line com os produtores, por isso irá financiar celulares e o pagamento será também em quantidade de leite.

Em Pernambuco, a Betânia possui uma fábrica na cidade de Pedra, localizada no Agreste. A empresa compra mais de 200 mil litros de leite por dia a mais de 600 produtores do Estado, em cidades como Pedra, Itaíba e Garanhuns. Com uma linha de mais de 120 itens, a Betânia produz, por exemplo, leites pasteurizados, iogurtes, queijos, requeijões e leite em pó.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: