Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos DeputadosFoto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a sociedade pagou a conta na reforma da Previdência e que as empresas devem arcar com eventuais custos de uma reforma tributária.

"Muitas vezes a elite também erra, quer que a sociedade pague a conta da redução do custo de alguns setores da economia. Temos que ter a coragem de falar a verdade. Na reforma da Previdência, a sociedade pagou mais a conta do que os empresários", disse Maia durante o evento CEO Conference Brasil 2020, do banco BTG Pactual, nesta terça-feira (18), em São Paulo.

Segundo Maia, alguns empresários "ressuscitaram o Everardo [Maciel, ex-secretário da Receita] como garoto-propaganda da CPMF". "Se algum setor está preocupado, tem que dialogar e entender que a parte da contribuição dos empresários deve existir da mesma forma que o brasileiro também colaborou com a reforma da previdência", afirmou.

Leia também:
Reforma tributária é mais importante que a administrativa, diz Maia
Rodrigo Maia descarta nova CPMF e diz que reforma tributária estará aprovada em cinco meses
Maia quer votar autonomia do BC na Câmara logo depois do Carnaval 

O presidente da Câmara também disse que o governo mudou sua agenda de privatizações. "A maior empresa que o governo vai privatizar é a Eletrobras. Não tem grandes privatizações. Quando as pessoas estão na oposição, falam que tem que privatizar Caixa, BB e Petrobras, mas, quando senta na cadeira, muda. Aí, a função social dos bancos é enorme."

Maia afirmou que o Senado ainda resiste quanto à privatização da Eletrobras e que, após resolver essa questão, o assunto deve andar rápido na Câmara. Ele diz, no entanto, que a privatização dos Correios enfrenta mais resistência. "Meu WhatsApp é mais atacado quando trato desse tema", diz ele, que defende a quebra do monopólio da estatal.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: