Segundo Oliva, objetivo é buscar resgate do consumidor
Segundo Oliva, objetivo é buscar resgate do consumidorFoto: Divulgação

Quem está devendo no banco por motivos que fogem do seu controle, como o desemprego, agora poderá negociar suas dívidas com condições especiais. É que, atento ao alto número de pessoas que entraram no rol de desempregados e endividados em função da crise econômica, o sistema bancário brasileiro decidiu oferecer um atendimento diferenciado aos chamados “inadimplentes por eventos especiais”.

As novas regras foram aprovadas pelo Conselho de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e também vão beneficiar aqueles que devem por conta de doenças graves, casos de morte na família ou divórcios. “O objetivo é buscar o resgate econômico e financeiro do consumidor que está em uma situação de vulnerabilidade porque perdeu uma parte importante do seu rendimento de uma forma brusca”, explicou o diretor de autorregulação da Febraban, Amaury Oliva, contando que este compromisso foi firmado no último dia 10 e deve entrar em vigor em no máximo 180 dias.

Leia também:
Desemprego chega a 13% e tem 1ª queda desde dezembro de 2014
Fechamento de bancos no Brasil bate recorde


Ainda segundo Oliva, cada banco vai desenvolver seu modelo de negociação. Mas são muitas as opções de acordo. Os endividados podem ganhar, por exemplo, descontos, parcelamentos de dívida e até a possibilidade de migrar para uma linha de crédito mais barata. E junto a isso serão oferecidas noções de educação financeira aos endividados. “Queremos nos antecipar aos problemas”, justificou.

Por conta disso, os bancos ão oferecer condições diferenciadas de negociação a quem paga suas parcelas em dia, mas corre o risco de perder essa capacidade de adimplência em um futuro próximo. “Vamos ficar atentos aos consumidores que estão em dia com suas obrigações, mas enfrentam grau de endividamento excessivo. Mas eles terão que comprovar a situação complicada”, informou Oliva, dizendo que esse benefício vale para quem tem a maior parte do salário comprometida por débitos.

Essa ação preventiva ainda vai fazer com que os bancos assumam uma postura mais proativa na negociação de dívidas. “Hoje, é natural receber pedidos de negociação dos clientes. Mas o banco já acompanha o endividamento deles. Sabe quanto ele deve no cartão, há quanto tempo está no cheque especial. Por isso, vai passar a procurar esse consumidor para negociar essa dívida”, explicou o diretor.

E a Febraban espera ganhar com as mudanças. Oliva explica que haverá ganhos para o consumidor, que terá atenção especial; para os bancos, que com isso querem criar uma relação de confiança com os clientes e ainda devem reduzir o índice de inadimplência, recebendo mais recursos; e também para a economia brasileira. “Há um ganho porque o consumidor terá condições de continuar no mercado de consumo”, defendeu.

comece o dia bem informado: