Setor de comércio e serviços deve começar as contratações de final de ano
Setor de comércio e serviços deve começar as contratações de final de anoFoto: Leo Motta/Folha de Pernambuco

Com a proximidade das festas de final de ano, os setores de comércio e serviços começam a abrir as portas para a contratação de trabalhadores. O período é uma oportunidade para uma pretensa recuperação de prejuízos e, ao mesmo tempo, de chances para pessoas que estão desempregadas.

Uma pesquisa realizada nas capitais e no interior do país pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) estima que, pelos próximos meses, aproximadamente 59,2 mil vagas serão abertas nos segmentos. Números levemente superiores aos 51 mil novos postos que foram previstos para o mesmo período do ano passado.

Os dados também mostram um cenário de moderada melhora na comparação com 2017. Embora ainda representem a maioria, caiu de 82% para 72% o percentual de  empresários que não têm a intenção de fazer contratações extras neste fim de ano. Em sentido oposto, aumentou de 13% para 17% o percentual dos que devem integrar ao menos um novo colaborador à sua equipe.

Reforçar o quadro de funcionários para dar conta do aumento da demanda neste período do ano é o motivo mais citado na hora de justificar as contratações, mas há também empresários que contratam pensando em melhorar a competição no mercado e aqueles, também, que se planejam para lidar com a rotatividade de funcionários.

A maior parte, no entanto, deve contratar apenas um funcionário – 46% dos empresários consultados - enquanto 28% pretendem contratar dois novos colaboradores.

Já 49% se enquadram entre aqueles que não irão contratar, porque acham que o movimento nas lojas não crescerá de forma que justifique admissões. Em alguns casos, mesmo sem contratar funcionários, os empresários devem adotar outras estratégias para lidar com o período aquecido de vendas, como por exemplo ampliar as horas trabalhadas por dia da atual equipe – pelo menos 17% dos que participaram da pesquisa, têm essa pretensão.

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, embora o número de 59,2 mil vagas seja uma pequena fração diante do contingente de quase 13 milhões de desempregados no país, os dados sinalizam uma recuperação gradual da economia e injetam algum otimismo para o início do novo ano.

Ainda de acordo com ela, quem procura há meses uma recolocação no mercado de trabalho pode encontrar nas vagas de fim de ano a chance para começar a colocar a vida financeira em ordem.

Maioria das vagas temporárias deve durar até três meses
Dentre os empresários que já contrataram ou que irão contratar neste fim de ano, 43% empregarão temporários, 33% abrirão vagas formais e 29% informais ( sem carteira assinada). Há ainda 16% de casos em que a contratação será terceirizada. E dentre os que recorrerão a mão-de-obra informal, a maioria (61%) justifica que se trata de uma contratação específica para o período natalino, sendo inviável a carteira assinada. Outros 19% argumentam que dessa forma reduzirão as despesas com folha de pagamento.

A pesquisa também descobriu que 26% dos empresários que pretendem contratar devem empregar funcionários por meio do regime de trabalho intermitente, aquele que adota o regime de hora móvel em vez de hora fixa e que passou a vigorar com a nova legislação trabalhista.

O estudo mostra ainda que quem procura uma vaga de trabalho neste fim de ano deve ficar atento, pois a maioria das contratações deve ocorrer entre os meses de outubro (28%) e novembro (33. Apenas 8% já efetuaram as contratações nos meses de agosto e setembro e 17% devem realizá-las somente em dezembro, quando faltarem poucas semanas para o Natal.

De qualquer modo, há motivos para o trabalhador temporário se esforçar para permanecer no emprego com a chegada do novo ano. Em cada dez empresários que vão contratar funcionários temporários, 28% planejam efetivar ao menos um colaborador após o término do contrato. A maior parte, contudo, não deve efetivar nenhum.

Perfil do trabalhador
Considerando quem contratou ou pretende contratar funcionários neste ano, a remuneração média dos novos trabalhadores deve ser de aproximadamente R$ 1.421,56, o que corresponde a uma média de um salário mínimo e meio. As funções mais procuradas devem ser as de vendedores (28%), ajudantes (21%), balconistas (11%), recepcionistas (4%), cabeleireiros (4%), estoquistas (4%) e caixas (4%). Em média, a jornada de trabalho deve ser de sete horas diárias.

Na comparação entre gêneros, nota-se um relativo equilíbrio: 34% dos empresários devem optar por homens, enquanto 31% por mulheres e 33% mostram-se indiferentes com relação a isso. No que diz respeito a faixa etária, a idade média dos novos funcionários deve ser de 28 anos. Além disso, espera-se que o novo funcionário tenha ao menos o ensino médio completo (48%).

Metodologia
A pesquisa ouviu 1.168 empresários de todos os portes que atuam no comércio e ramo de serviços nas 27 capitais. A pesquisa completa pode ser acessada no endereço https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas



comece o dia bem informado: