A pesquisa também apontou que pelo menos 66% idosos mantêm independência financeira
A pesquisa também apontou que pelo menos 66% idosos mantêm independência financeiraFoto: Fotos Públicas

Quase metade da população idosa é a principal fonte de renda nos lares do país. Pelo menos é o que aponta levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) quando apontam que 43% dos brasileiros acima de 60 anos são os principais provedores e responsáveis por pagamento de contas e despesas.

O percentual aumenta entre os homens (53%) e, de um modo geral, 91% dos idosos no Brasil contribuem com o orçamento da residência, sendo que em 25% dos casos colaboram com a mesma quantia que os demais membros da família. Somente 9% não ajudam com as despesas.

Para Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, uma mudança demográfica e comportamental dessa população ajuda a explicar os percentuais, com casos de aposentado que, por exemplo, é a única fonte de sustento da família. E o aumento da expectativa de vida dos brasileiros também é um fator importante, com idosos mais ativos, com mais autonomia financeira e trabalhando por mais tempo.

Outro dado que reforça a independência financeira de boa parte dos idosos é que 66% não recebem ajuda financeira de parentes, amigos, pensão ou programa social. Além dos 34% que contam com algum tipo de ajuda.

Padrão de vida piorou na terceira idade

Se por um lado o estudo mostra que os idosos são de grande importância para o sustento de seus lares, por outro, se observa também que muitos deles apenas conseguem pagar suas contas, sem que haja sobras de dinheiro para realizar um sonho de consumo ou investir. De modo geral, 39% dos idosos brasileiros até conseguem pagar suas contas sem atrasos, mas fecham o mês sem recursos excedentes.

Outros 14% nem sempre conseguem pagar as contas e algumas vezes precisam fazer esforço para administrar o dinheiro que recebem e 4% nunca ou quase nunca conseguem honrar os compromissos financeiros. Os idosos em situação financeira confortável, ou seja, pagam as contas e ainda sobra dinheiro, são 42% da amostra.

Para manobrar o orçamento, recorrer ao crédito acaba sendo uma saída prática, apesar de arriscada. Pelo menos 51% dos idosos costuma fazer empréstimos, utilizar cartão de crédito ou cheque especial para pagar as contas e conseguir cumprir compromissos mensais. Recorrer a uma reserva financeira seria a solução mais indicada, mas apenas 39% dos idosos possuem dinheiro guardado.

Metodologia
Foram entrevistados consumidores com idade acima de 60 anos de ambos os gêneros e de todas as classes sociais, nas 27 capitais brasileiras. A pesquisa pode ser acessada na íntegra no endereço https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas



comece o dia bem informado: