Banco Central do Brasil_W
Banco Central do Brasil_WFoto: Reprodução/Internet

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, reforçou nesta sexta-feira (11) defesa de reformas e ajustes na economia para manter a inflação baixa no médio e longo prazos. Ele lembrou que o IPCA de 2018 ficou dentro da meta e a expectativa do mercado é que a situação se repita nos próximos anos.

"Manter o controle da inflação é um trabalho contínuo, sabendo que reformas e ajustes necessários à economia brasileira são essenciais para manter a inflação baixa no médio e no longo prazos, para a queda estrutural das taxas de juros e para a recuperação sustentável da economia", disse , em evento na sede do BC no Rio.

Nesta sexta, o IBGE informou que o IPCA, índice oficial de inflação, fechou 2018 em 3,75%, abaixo do centro da meta estabelecida pelo governo, que é 4,5%. Goldfajn afirmou que, no regime de metas, a confiança na política monetária é fundamental para as expectativas do mercado.

Leia também: 
Inflação oficial do país fecha 2018 em 3,75%, abaixo da meta do Banco Central
BC quer facilitar operação de bancos estrangeiros
Guedes diz que dirigentes de bancos estatais reduzirão distorções no mercado de crédito


"O mais importante é que as perspectivas de inflação para os próximos anos continuam dentro da meta", completou, citando dados do boletim Focus. Para 2019 e 2020, a projeção é que o IPCA seja de 4%. Para 2021, 3,75%.

Goldfajn participa do lançamento da coleção "História contada do Banco Central", com depoimentos de ex-presidentes da instituição. Ele será substituído no BC por Roberto Campos Neto, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro que precisa ainda ter seu nome aprovado pelo Senado.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: