Secretário de desestatização, Salim Mattar
Secretário de desestatização, Salim MattarFoto: FIESP/Divulgação

Apesar das estimativas de economistas que indicam uma reforma da Previdência capaz de economizar entre R$ 600 bilhões e R$ 700 bilhões após negociações com o Congresso, o secretário de desestatização, Salim Mattar, afirmou que o governo ainda espera poupar R$ 1 trilhão em dez anos com as novas regras.

"Acreditamos que a sensatez estará no Congresso na hora da votação e que a reforma não será desidratada", disse Mattar em evento do Itaú em São Paulo. Ele afirmou ainda que os parlamentares precisam priorizar a votação da proposta.

A reforma da Previdência tramita na Câmara, e o governo já indicou que cederá em alguns pontos para sua aprovação.

Leia também:
Governo ainda precisa fazer cálculos para divulgar impactos da reforma da Previdência, diz secretário
Governo Temer liberou pareceres de reforma da Previdência
Oposição quer suspensão de Previdência na CCJ


Mattar voltou a defender as privatizações no governo e afirmou que seu objetivo para 2019 é arrecadar US$ 20 bilhões com desestatizações, meta anunciada pelo ministro Paulo Guedes em janeiro, durante o Fórum Econômico Mundial.Também em janeiro, o secretário havia afirmado que superaria o valor em ao menos 25%.

Salim Mattar afirmou que já conseguiu arrecadar US$ 12 bilhões (cerca de R$ 47 bilhões) com privatizações e desestatizações até agora. Incluiu na conta, porém, concessões de portos e aeroportos previstas desde o governo Temer.

O secretário disse ainda que pretende convencer membros do governo a privatizar todas as 134 estatais federais, inclusive Banco do Brasil, Caixa e Petrobras.Ele defendeu ainda a capitalização da Eletrobras. "O governo não tem recursos para investir na empresa, que precisa de algo entre R$ 10 bilhões e R$ 14 bilhões ao ano para fazer investimentos. Neste ano, vai investir R$ 4 bilhões."

veja também

comentários

comece o dia bem informado: