Paulo Guedes
Paulo GuedesFoto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta quarta-feira (22) que o sistema de repartição da Previdência Social brasileira causa muito mais suicídio do que o de capitalização adotado no Chile.

A defesa das mudanças na aposentadoria foi feita em seminário realizado pelos jornais Correio Braziliense e Estado de Minas, em Brasília. Guedes rebatia críticas de que a adoção da capitalização pelo Chile levou a um aumento dos suicídios entre os idosos.

Leia também:
Em tom de brincadeira, Guedes corrige Bolsonaro sobre Previdência
Brasil discute Previdência a cada dez anos; relembre negociações dos presidentes
Chile tem novo protesto contra sistema previdenciário


"Ah, mas no sistema chileno todo mundo se suicida...é mentira. Suicida-se mais no Brasil do que lá. O sistema de repartição causa mais suicídio do que o sistema de capitalização. Suicida-se mais aqui do que lá. E muito mais em Cuba, mais do que aqui e mais do que lá", afirmou o ministro.

Guedes também atacou o que chamou de lobby contrário à reforma, realizado, segundo ele, por aqueles que têm dinheiro e querem manter os privilégios do sistema atual. "É evidente que o lobby contra está aqui em Brasília, em torno do prédio [do jornal]. Não é o Brasil que está contra reforma da Previdência, é Brasília que está contra a reforma da Previdência", afirmou. "E é importante entender isso. E tem dinheiro, tem dinheiro, muito dinheiro em publicidade contra, gente recebendo congressistas com faixa, mobilização para garantir privilégios usando os frágeis de escudo".

Segundo o ministro, o discurso de que a reforma busca tirar dinheiro dos pobres é fake news. Ele defendeu as alterações nas regras previdenciárias como uma forma de "abrir os portões para um novo mundo de crescimento econômico, recuperando 10, 15, 20 anos de estabilidade fiscal."

"Não há alternativa, o regime antigo quebrou, a Previdência antiga está condenada", disse. "Sem reforma da Previdência, não há futuro. Qualquer que seja o governo, não vai prosperar."

Ele cobrou um compromisso da sociedade para se sacrificar pelas gerações futuras. "Não pode encostar em ninguém no canto, nos militares, no Congresso", disse. "Ou os contemporâneos se sacrificam, ou nós estamos empurrando a conta para filhos e netos."

veja também

comentários

comece o dia bem informado: