Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair BolsonaroFoto: AFP

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta sexta-feira (1º) que prefere que a reforma administrativa tenha prioridade na agenda do Congresso por acreditar ser uma medida "menos traumática".

"Está havendo um atrito aí. Uns querem a administrativa, outros querem a tributária. Eu dou a minha opinião porque eu acho que administrativa, como tem proposta andando na Câmara, seria menos traumática. O que o Rodrigo Maia, o [Davi] Alcolumbre, o nosso interlocutor, o Paulo Guedes, o nosso ministro Onyx, o próprio Ramos decidirem em comum acordo, eu 'encarneiro' [sigo] e vamos em frente", disse na saída do Palácio da Alvorada.

Passada a aprovação da reforma da Previdência, o governo se prepara agora para enviar novos projetos ao Poder Legislativo como prioridade da gestão.

Leia também:
Bolsonaro diz que não vai à posse de Fernández e nega retaliação à Argentina
Bolsonaro desautoriza filho e diz que Eduardo 'está sonhando' sobre AI-5

Na mesa estão as reformas administrativa, que implicaria em mudanças do regime do servidor público, a tributária e alterações no pacto federativo.

A ordem de prioridade ainda não está clara e nem a data em que os projetos serão encaminhados ao Congresso pelo Palácio do Planalto.

Na quinta-feira (31), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que embora Bolsonaro tenha prometido entregar uma proposta de reforma administrativa na próxima semana, os parlamentares podem analisar a matéria sem pressa, já que as mudanças serão implementadas somente para os futuros servidores.

Maia então defendeu como prioridades do Congresso nos dois últimos meses de 2019 a reforma tributária e a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Regra de Ouro.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, estuda fazer a reforma administrativa de forma fatiada. Ele quer que as mudanças englobem todo o percurso do trabalhador no serviço público. As alterações começariam já na forma de seleção para o ingresso na carreira, passando por regras mais rígidas de avaliação de desempenho, novas condições para a progressão e até a forma de vínculo empregatício com o estado.
Também não há consenso sobre qual o modelo de reforma tributária que será adotado. O governo avalia se o melhor caminho será aproveitar textos que já tramitam no Congresso ou apresentar um novo projeto.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: