Diversas negociações estão sendo feitas entre as fabricantes e as locadoras
Diversas negociações estão sendo feitas entre as fabricantes e as locadorasFoto: Arquivo/Agência Brasil

As montadoras estão vendendo mais carros em 2019, mas ainda assim se queixam de prejuízos acumulados. A explicação para essa aparente incongruência passa pelo crescimento das vendas diretas.

Nessa modalidade, as fabricantes negociam com frotistas. Hoje, os maiores compradores são as locadoras. Essas empresas, que adquirem milhares de veículos por vez, têm se expandido ao oferecer planos de aluguel a motoristas de aplicativo. É um fenômeno gerado pelo desemprego formal.

No primeiro quadrimestre de 2019, as vendas diretas de carros de passeio e veículos comerciais leves cresceram 24,3% em comparação com o mesmo período de 2018. No varejo, houve queda de 1%. Os dados são da Fenabrave (associação dos distribuidores de veículos).

Leia também:
Amsterdã proibirá veículos a gasolina e diesel a partir de 2030
Governo suspende compra e aluguel de imóveis e veículos


Ou seja: a alta de 8,7% no total das vendas neste começo de ano se deve exclusivamente à comercialização de veículos para frotas. Outras modalidades de venda direta, como a compra por pessoas com necessidades especiais, representam pouco nessa conta.

Em 2018, 19% de todos os carros de passeio e veículos comerciais leves vendidos no Brasil foram parar nos pátios das locadoras, segundo a associação que reúne as empresas de aluguel de automóveis (Abla). Nos primeiros meses de 2019, a entidade estima que essa participação já tenha ultrapassado os 20% de mercado.

Para atender motoristas de aplicativo, as empresas compram, prioritariamente, carros compactos. Aí começam os problemas das montadoras.Os descontos por unidade chegam a 20% do valor, segundo executivos envolvidos no negócio. Embora mantenham as fábricas em funcionamento e movimentem o setor comercial, a rentabilidade despenca, pois a margem de lucro já é mais baixa.

A negociação tem sido favorável às locadoras, pois são as fabricantes que batem à porta delas. É melhor ganhar pouco do que ter de paralisar turnos de produção.A General Motors, primeira montadora a revelar seus problemas de rentabilidade no país, produz o carro mais comprado pelas empresas de locação, o Chevrolet Onix. Não por acaso, esse é o modelo mais vendido do Brasil.

Entre janeiro e abril, o compacto da GM teve 75.130 unidades emplacadas. Segundo a Fenabrave, 42,8% foram comercializadas via venda direta.Os carros compactos ganharam equipamentos e se tornaram mais caros de produzir. Hoje, qualquer modelo novo é obrigatoriamente equipado com airbags frontais e freios com sistema ABS, que evita o travamento da rodas. Modelos 1.0 que custam a partir de R$ 40 mil trazem ar-condicionado, direção assistida e sistema de som.

Ao somar os custos de desenvolvimento que a indústria atual demanda a cada ciclo de renovação de produto, a conta não fecha com a venda direta de carros compactos, que dominam as linhas de montagem no Brasil.Daí vêm tantas promoções que buscam fisgar o consumidor no varejo, desde taxa subsidiada no financiamento até supervalorização do carro usado na troca. São jogos de números que tentam preservar a rentabilidade em um cenário enganador, em que o crescimento das vendas não vem acompanhado do lucro.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: