RECIFE

EITA Labs transforma Centro do Recife em território para experimentações tecnológicas e de inovações

O evento ocorreu no Núcleo de Gestão do Porto Digital e contou com a presença do prefeito João Campos

João Campos, prefeito do RecifeJoão Campos, prefeito do Recife - Foto: Marcos Pastich/Prefeitura do Recife

Foi lançado, nesta quarta-feira (11), o edital do EITA Labs, que oferece recursos para transformar o Parque Tecnológico Porto Digital em áreas de experimentações tecnológicas e inovadoras de empresas e startups.

O evento ocorreu no Núcleo de Gestão do Porto Digital e contou com a presença do prefeito João Campos, que lançou o projeto através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SDECTI), Secretaria Executiva de Transformação Digital (SetDigital) e a Empresa Municipal de Informática (Emprel).

O diferencial do EITA Labs é que as soluções desenvolvidas na capital pernambucana podem ser incluídas no Parque Tecnológico Itaipu Brasil (PTI-BR), em Foz do Iguaçu (PR), fruto do termo de cooperação técnica assinado entre o Recife e a entidade privada. O objetivo é que ambas as partes possam realizar projetos em parceria para construir soluções inovadoras e smart cities (cidades inteligentes). Isso será feito com o intuito de melhorar a vida da população.

“O EITA Labs é um sandbox regulatório e a gente definiu uma área no centro da cidade, onde a gente cria uma legislação específica. Nessa área é permitido testar uma série de inovações, tanto de ordem urbana, de ordem tecnológica, de interação social. A gente lança esse desafio e diz: se você tem alguma ideia para a cidade, nessa área do Recife, você está livre para testar. Temos uma comissão que avalia e coloca isso em prática”, explicou João Campos, no lançamento do EITA Labs.

Com o programa, será criado um ambiente de experimentação ao ar livre, como uma forma de laboratório vivo. Isso possibilitará a democratização de ações e inovações, podendo ser testadas e construídas. É com a parceria de agentes da região e de fora dela, empresas privadas e universidades, bem como da população que novos negócios poderão surgir e empregos serão gerados. Além de estimular o turismo empresarial.

“Por exemplo, como aqui foi apresentado pelo Porto Digital, a ideia de colocar estações de abastecimento de veículo elétrico através de energia solar, umas estações que vão ser utilizadas para abastecer os carros. Então a gente cria uma legislação específica e essas estações podem ser instaladas aqui no centro. A gente chama as pessoas para buscar inovar com a Prefeitura, porque cuidar e fazer a cidade é um papel de todos nós e não exclusivamente da Prefeitura”, finalizou o gestor municipal.

Empresas startups interessadas podem inscrever as soluções que desejam testar no Centro do Recife através do link recife.pe.gov.br/eitalabs. Os testes devem ser feitos no período de seis a doze meses, podendo renovar o tempo dependendo das avaliações dos responsáveis pela curadoria dos projetos (Conselho Gestor e Comitê Coordenador do Programa Recife Living Labs (CCRLL)). As empresas e startups podem submeter até cinco projetos no mesmo edital.

As áreas de interesse das soluções potencialmente experimentadas no ambiente do EITA Labs são: Meio Ambiente; Tecnologia e Inovação; Segurança; Economia; Energia; Habitação; Esporte; Cultura ou Recreação; Telecomunicações; Mobilidade e Acessibilidade; Agricultura; Saneamento; e Turismo. Também é possível discutir abertamente sobre soluções para Turismo, Cidades Inteligentes e tecnologia em hardware e software, levando em conta as realidades em Recife e Foz do Iguaçu.

Os testes ocorrerão nos ambientes das living labs, que oferecem as condições adequadas para aprimorar o processo. A avaliação criteriosa para autorizar experimentos leva em conta o grau de inovação e maturidade da solução, bem como a capacidade técnica da equipe que conduzirá os testes. Também é verificado se a solução em questão está alinhada aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Cada ponto equivale a um peso, que consequentemente resulta no seu grau de importância.

Logo no início, duas empresas associadas ao Porto Digital já demonstram interesse em participar do EITA Labs: a Avantia e a Insole. A primeira tem a ideia de interligar todos os equipamentos de vídeo no bairro do Recife ao software de inteligência artificial em que é especializada, para que a máquina possa atuar na segurança pública e identificar situações de violência ou transtorno ao patrimônio público.

Já a Insole propõe tornar o Porto Digital o ecossistema pioneiro na entrega da matriz energética elétrica para uma fonte sustentável e renovável, através da distribuição de pontos de recarga para carros elétricos e bicicletas de compartilhamento em locais estratégicos. Tudo seria feito com a tecnologia em prol da cidadania.

Veja também

Empresas reduzem embalagens e qualidade para repassar custos
custos

Empresas reduzem embalagens e qualidade para repassar custos

Crédito rural do BB chega a R$ 254 bi no primeiro trimestre de 2022
AGRONEGÓCIO

Crédito rural do BB chega a R$ 254 bi no primeiro trimestre de 2022