Eletrobras e Ande caminham para acordo sobre energia gerada por Itaipu

O presidente da Eletrobras afirmou que não existe possibilidade de vender energia livre

Presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira JúniorPresidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Na próxima semana, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, tem encontro previsto com o presidente da Administração Nacional de Eletricidade (Ande), empresa estatal de energia do Paraguai, Luis Villordo, para tratar da regularização do acordo que envolve a energia gerada pela Usina Hidrelétrica de Itaipu.

“É importante regularizar porque tem uma negociação importante a partir de 2023”, disse nesta terça-feira (13) Ferreira Júnior, em entrevista coletiva à imprensa, no Rio de Janeiro. Ele explicou que o tratado bilateral estabelece que a energia de Itaipu é vendida em cotas para duas únicas empresas: a Ande, do lado paraguaio, e a Eletrobras, do lado brasileiro.

No final do ano, são aprovados os volumes e os preços dessas cotas de energia propostos pelo Conselho de Administração de Itaipu e enviados à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que publica resolução nesse sentido.

Leia também:
Presidente da Eletrobras tem BR como exemplo para privatizar elétrica
Eletrobras tem lucro de R$ 5,5 bilhões no segundo trimestre
Eletrobras recoloca à venda 39 participações societárias
Eletrobras paga R$ 1,275 bi de dívidas com Petrobras; débito ainda soma R$ 9,56 bi

O presidente da Eletrobras afirmou que não existe possibilidade de vender energia livre, porque toda energia, no lado do Brasil, é comprada pela Eletrobras e repassada às distribuidoras. “Não há como fazer isso”, garantiu. No caso brasileiro, isso é bastante explícito, acrescentou.

Segundo Ferreira Júnior, a negociação para um novo acordo sobre a contratação da energia da hidrelétrica binacional de Itaipu começou no final do ano passado e foi intensificada este ano. Ele acredita que o assunto está bem encaminhado e deve ser resolvido até 2020.

“Nós estamos construindo uma coisa para chegar a 2022. Tem ‘gaps’ (lacunas) em relação ao tratado? Tem. Mas a gente gostaria de resolver isso o mais breve possível”. A partir de 2023, os dois países já entrarão no âmbito da nova negociação.

Veja também

Parecer preliminar de privatização da Eletrobras fortalece estatal dominada pelo centrão
PRIVATIZAÇÃO

Parecer preliminar de privatização da Eletrobras fortalece estatal dominada pelo centrão

Bolsa sobe e beira os 123 mil pontos
Mercado Financeiro

Bolsa sobe e beira os 123 mil pontos