A-A+

Empresa aérea chilena de baixo custo pode começar a operar no país

A Anac recebeu o pedido para operações da Sky Airline para atuar com voos ligando o Brasil ao Chile

A cia aérea operaria voos a baixo custo, ligando o Brasil ao ChileA cia aérea operaria voos a baixo custo, ligando o Brasil ao Chile - Foto: Alberto Ruy/MTPA

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) recebeu no dia 30 de agosto o pedido para operações regulares internacionais no Brasil da empresa chilena Sky Airline, que opera na modalidade low cost, ou de baixo custo. A Sky Airline pretende começar a operar em novembro deste ano com voos ligando o Brasil ao Chile.

No início de agosto, a agência reguladora já havia autorizado o funcionamento da empresa aérea Norwegian Air em voos regulares no Brasil. A empresa é a terceira maior entre as de baixo custo que operam no continente europeu. De acordo com a Anac, a Norwegian vai operar em território nacional como empresa de serviço de transporte aéreo internacional regular de passageiro, carga e mala postal.

A expectativa é de que a empresa comece a operar voos internacionais entre o Brasil e a Europa a partir de janeiro de 2019. Também há a possibilidade de a empresa pedir a liberação de voos entre o Brasil e a Argentina, onde a Norwegian já opera. Além das duas empresas, a Anac informou que a argentina Avian, subsidiaria da Avianca, também pretende operar voos regulares no país. A empresa tem cadastro para voos não regulares e pretende fazer a rota de Buenos Aires a São Paulo.

Leia também:
Anac informa que bilhetes aéreos já consideram horário de verão
Anac emite certificação para avião cargueiro de uso militar
Brasil desperdiça chance de reduzir emissões na aviação, diz estudo
Receita Federal apreende 51 iPhones no Aeroporto do Recife
Velocímetro de avião que caiu na Indonésia estava danificado, diz comitê


"Além das duas empresas, a aérea Flybondi recebeu autorização do governo argentino recentemente para operar no país. Após esse passo, a Flybondi deve entrar com o pedido de autorização jurídica e operacional na Anac", disse a agência reguladora. Por operar com baixo custo e cobrar menos pelo preço das passagens, essas empresas costumam cobrar por serviços como despacho de mala, marcação de assentos. Em geral, também não oferecem alimentação nos voos, nem totens com impressoras nos aeroportos para o viajante retirar seu bilhete de viagem.

Veja também

Com faturamento de R$ 41 bi, mercado pet já vende mais que linha branca
Economia

Com faturamento de R$ 41 bi, mercado pet já vende mais que linha branca

Agenda social ainda é pilar frágil no agro mesmo com avanços
Agronegócio

Agenda social ainda é pilar frágil no agro mesmo com avanços