Empresa Júnior: um mercado em ascensão

Negócios criados no seio das instituições de ensino com estudantes estão com previsão de faturar R$ 45 milhões este ano

André comanda a Poli Júnior, empresa que se consolidou no mercado de engenharia André comanda a Poli Júnior, empresa que se consolidou no mercado de engenharia  - Foto: Ed Machado / Folha de Pernambuco

Com o intuito de incentivar o empreendedorismo e promover cada vez mais o aprendizado além da sala de aula, a Empresa Júnior se apresenta como uma boa opção de integrar o estudante universitário com o mercado de trabalho. O setor que está cada vez mais em alta tem uma previsão de desenvolver cerca de 23 mil projetos e faturar R$ 45 milhões neste ano, de acordo com a Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior).

Segundo um estudo da Brasil Júnior, o País conta com 926 empresas juniores abertas atualmente, e mais de 22 mil universitários associados espalhados em 171 instituições de ensino. No ano passado o mercado movimentou R$ 29,3 milhões com 18,3 mil projetos realizados, e a expectativa positiva se dá pelos bons números já apresentados este ano, onde 14,3 mil projetos já foram realizados R$ 20,8 milhões foram gerados. Em Pernambuco, o mercado já faturou R$ 1,5 milhão com cerca de 400 projetos.

Leia também:
Empresa Junior é opção acessível
Empreendedorismo: confira dicas para iniciar um negócio promissor


Segundo o presidente executivo da Federação das Empresas Juniores do Estado de Pernambuco (Fejepe), Marcelo Medeiros, o movimento é importante para fazer com que o espírito de empreendedorismo esteja presente nos universitários.

“Pretendemos gerar cada vez mais impacto através de nossos projetos, esperamos que existam ainda mais soluções de alta qualidade chegando ao mercado, e mais empreendedores do futuro. Um dos principais motivos da existência das empresas juniores é para diminuir a lacuna existente entre a universidade e o mercado, ela tem como missão formar, empreendedores comprometidos e capazes de transformar o Brasil”, afirmou.

O presidente da Fejepe destaca ainda que apesar das empresas terem faturamento, o recurso financeiro é destinado para estruturação da própria empresa. “Devido aos estudantes serem voluntários, conseguem oferecer soluções a um preço abaixo do praticado pelo mercado, atendendo empreendedores que não teriam acesso a esse tipo de solução. Todo o dinheiro arrecadado através de seus projetos é utilizado para cobrir os custos da operação e investir na empresa e capacitação dos membros, como ida a eventos de empreendedorismo, cursos, estrutura física da empresa, entre outros”, contou Marcelo.

Em Pernambuco, o movimento já apresenta um engajamento por parte dos estudantes. Uma das empresas atuantes no Estado é a Prisma Consultoria e Serviços em Engenharia, da Universidade Federal de Pernambuco (Ufpe). Com quase 5 anos de atuação, um dos principais projetos realizados foi a construção de uma casa sustentável, com o projeto orçado em R$ 8,4 mil, segundo a gerente comercial da empresa, Isis Costa. “Fizemos um projeto onde utilizamos o meio natural, fizemos o reuso da água, com um projeto na pegada de preservação. Com isso participamos de um desafio, e fomos premiados pelo nosso projeto, onde atingimos critérios da Organização das Nações Unidas, na preservação do meio ambiente. O nosso diferencial está no preço, que é até 75% mais barato em relação ao mercado, e o lucro é investido no conhecimento”, comentou Isis.

Outra empresa do mercado é a Poli Júnior Engenharia, da Escola Politécnica de Pernambuco, que tem 13 anos de mercado e realizaram no primeiro semestre deste ano um projeto com o Hospital do Câncer de Pernambuco, que custou um valor abaixo do mercado, de acordo com o presidente da Poli Junior, André Hermano. “No hospital fizemos três projetos e percebemos que eles não tinham as plantas do hospital, e qualquer tipo de alteração eles não podiam fazer, por não ter a planta. Realizamos um projeto arquitetônico da planta do local para realizar alterações, o trabalho hidráulico, e o elétrico. Isso pode impactar o trabalho dos funcionários, com uma melhor condição de trabalho, além de fazer com que mais pessoas sejam atendidas, diminuindo tempo de espera, com melhor condição de atendimento”, apontou André.

Veja também

Ninguém acerta a Mega-Sena, e prêmio principal acumula em R$ 7 milhões
LOTERIA

Ninguém acerta a Mega-Sena, e prêmio acumula em R$ 7 milhões

Famílias aproveitam queda nos juros para comprar casa própria mais cara
CASA PRÓPRIA

Famílias aproveitam queda nos juros para comprar casa própria mais cara