Empresa têxtil investe R$ 100 milhões para ter fábrica em Pernambuco

Fábrica da Nova Tecelagem e Fiação vai ser implantada em Bezerros, no Agreste do Estado, e deve gerar mais de 500 empregos

Cerimônia da assinatura do Protocolo de Intenções para nova indústria têxtil em PernambucoCerimônia da assinatura do Protocolo de Intenções para nova indústria têxtil em Pernambuco - Foto: Hélia Scheppa/SEI

Pernambuco terá uma nova indústria têxtil. Com um investimento de R$ 100 milhões a empresa cearense Nova Tecelagem e Fiação, do Grupo Santana Textiles a empresa irá instalar uma nova fábrica no município de Bezerros, e deve gerar 545 empregos diretos no Estado durante o período de produção. A fábrica terá duas fases de tecelagem, a primeira com a produção de acabamento de produtos, e depois com a fiação na planta industrial. 
Segundo o Grupo, as obras de construção da planta industrial devem iniciar ainda em dezembro deste ano, com uma duração de três anos. Por outro lado, a empresa planeja iniciar alguma atividade na fábrica já em 2020, onde 250 funcionários serão contratados. A produção mensal da fábrica será de 1.200.000 metros de tecido Denim e 700.000 quilos de fios, entre eles produtos de malharia, como cotton, meia malha, pique, ribana, meias, moletons, entre outros. 

Leia também:
Orçamento de investimento das estatais sobe para R$ 12,5 bilhões
FCA anuncia fábrica de motores em Betim (MG)
Segundo o procurador da Nova Tecelagem e Fiação, Raimundo Delfino, o projeto é um passo positivo para o setor nordestino. “Esse projeto é interessante para a cadeia, acho que esse ano já estaremos batendo alguma coisa, alguns tecidos, e antes seria uma tecelagem, e agora serão duas tecelagens. Pernambuco nos deu todo amparo para iniciarmos essa nova missão”, afirmou. 
O anúncio da nova fábrica no estado foi feito nesta sexta-feira, onde na ocasião o governador Paulo Câmara assinou um Protocolo de Intenções com a empresa. “É uma empresa importante que tem uma atuação nacional muito forte e está se instalando em Pernambuco. Ela vai reforçar toda a cadeia produtiva do polo produtivo da confecção, e que agora vai entrar com muita força em Bezerros, é a ampliação de uma vocação que Pernambuco tem nessa área”, destacou. 
O Governo de Pernambuco concederá incentivo fiscal à empresa, com crédito presumido equivalente a 90% do ICMS líquido a recolher nos próximos 12 anos. Além disso, a empresa também está autorizada a terceirizar os seus serviços fora dos limites de Pernambuco, por um período de seis meses.
Câmara conta ainda que o Estado gera incentivos com qualificação da população local para atrair empresas. “Temos nosso pacote de incentivos econômicos e fiscais autorizados por lei, e todo um compromisso de oferecer infraestrutura adequada para a produção e qualificação das pessoas da região para ter condições de empregabilidade nesses empreendimentos”, afirmou o governador. 
Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, a atração de mais um investimento é importante para a cadeia produtiva pernambucana. “Estamos consolidando a nossa cadeia têxtil. Estabelecemos um cronograma para que dentro de um ano já ter expectativa de produção. A empresa anunciou a possibilidade de antecipar, para a partir de dezembro eles já estarem fazendo alguma coisa, com uma produção”, afirmou o secretário. 
O Prefeito de Bezerros, Breno Borba, acredita que a fábrica beneficie a população da cidade. “Em um momento de crise, uma fábrica desse porte ajuda muito uma população carente de emprego, melhorando ainda o rendimento familiar. A fábrica vai colocar Bezerros nesse polo de confecções, entrando de fato nesse setor”, contou. 
A assinatura do protocolo contou ainda com a presença do secretário da Fazenda, Décio Padilha, a secretária de Infraestrutura e Recursos Hídricos, Fernandha Batista, o deputado estadual Waldemar Borges, o presidente da Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe), Severino Otávio, o diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper), Roberto Abreu, o presidente da Nova Tecelagem e Fiação, Valdemar Loureiro, entre outras autoridades. 

Veja também

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon
Avon

Violência contra a mulher também é problema econômico, diz presidente

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção
servidores

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção