Eventos

Pernambuco: empresários defendem colaboração para bares, restaurantes e eventos

Novas restrições estão sendo adotadas nos setores de eventos e de bares e restaurantes de Pernambuco para conter o avanço da Covid-19 e da Influenza. As medidas vão até o dia 31 de janeiro. Os empreendedores do setor buscam evitar prejuízos

Estabelecimentos de alimentação voltam a trabalhar com limites e terão de pedir passaporte vacinal, enquanto eventos tem a sua capacidade reduzidaEstabelecimentos de alimentação voltam a trabalhar com limites e terão de pedir passaporte vacinal, enquanto eventos tem a sua capacidade reduzida - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Por conta do aumento de casos da Covid-19 e da gripe H3N2 em Pernambuco, o Governo do Estado anunciou novas medidas restritivas para alguns setores econômicos. Os anúncios foram recebidos com preocupação pelos setores de bares, restaurantes e eventos, que passaram por um período sem atividades desde março de 2020. Os empresários pedem hoje um maior diálogo e colaboração para evitar novos prejuízos econômicos.  

O setor de eventos foi o que teve mais mudanças, sendo a principal na redução de público permitido. Agora, o limite é de até 3 mil pessoas em locais abertos, de 1 mil em espaços fechados ou 50% da capacidade do local, valendo o que for menor. Além disso, continua a exigência da comprovação vacinal com duas doses ou dose única para quem tem até 54 anos e o reforço para quem tem a partir de 55. Passa a ser exigido nos eventos a apresentação do teste negativo para a Covid, caso tenham mais de 300 pessoas, com o exame sendo feito com 24 horas de antecedência no caso do teste rápido de antígeno e 72 horas para exames de RT-PCR.

As novas regras já estão em vigor e seguem até o dia 31 de janeiro. Já no caso dos serviços de alimentação, será exigido o passaporte vacinal com duas doses ou dose única para pessoas até os 54 anos de idade e, a partir dos 55, também o reforço. A quantidade de pessoas por mesa não pode passar de 20. A medida é válida para restaurantes, bares e lanchonetes, inclusive shoppings e centros comerciais.

Espera de dias melhores
O proprietário da All News, Marcelo Barraca tem eventos programados para os próximos dias e no mês de fevereiro. Segundo ele, a realização será possível para que um prejuízo maior não aconteça e devido ao bom relacionamento com os artistas. “Não podemos deixar de fazer, é o primeiro ano do evento. Temos uma parceria muito grande com os artistas e conseguimos fazer, mas não se paga. Temos que cumprir pela relação com os artistas e também com as pessoas que compraram os ingressos. O governo do Estado vem nos ajudando, aqui a vacinação está avançada”, disse.

Marcelo Barraca, proprietário da All News Marcelo Barraca, proprietário da All News | Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Além dos produtores de eventos, o trabalho também ficou comprometido para empresas que montam estruturas para os eventos, como a Happy Estruturas, de João Mendes. Segundo ele, a empresa terá a quantidade de funcionários reduzida para atender aos eventos que ainda serão realizados. “Vamos sentar, reavaliar, demitir os funcionários novamente, já que não tem o evento, é se readequar novamente, porque o prejuízo é incalculável, tem muitos trabalhadores envolvidos. O impacto é muito grande, e algumas festas já estavam prontas. Fizemos investimentos em material”, afirmou.

João Mendes, proprietário da Happy EstruturasJoão Mendes, proprietário da Happy Estruturas | Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Para o sócio da Tampa Entretenimento, Henrique Figueira, é preciso encontrar mais soluções para que o setor possa conseguir uma melhor atuação. “Tínhamos eventos como o Olinda Beer, que somos sócios, e cancelamos, além de reduzir a capacidade de outros eventos. As bandas nos ajudaram, reajustaram os cachês para que a gente possa realizar os eventos. Os eventos acontecendo de forma segura, com proteção, é possível”, declarou.

Henrique Figueira, sócio da Tampa EntretenimentoHenrique Figueira, sócio da Tampa Entretenimento | Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco 

Já o sócio da BG Promoções, Bruno Rego, aponta que o prejuízo é grande, mas as medidas devem ser respeitadas para a atuação. “Fomos bem atendidos essa semana pelos órgãos de fiscalização, tivemos uma reunião prévia antes de um evento para o final de semana, em Porto de Galinhas. Iremos atuar com responsabilidade, o prejuízo é astronômico e iremos cumprir porque lei e decreto devem ser respeitados, mesmo com prejuízos financeiros. Vamos continuar ajudando, quanto menos vidas a gente perder, mais vamos ficar felizes e continuar ajudando”, finalizou. 

Bruno Rego, sócio da BG Promoções Bruno Rego, sócio da BG Promoções | Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Bares e restaurantes
De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Pernambuco (Abrasel/PE), André Luiz Araújo, pelo bem da saúde pública, o setor, mais uma vez, está disposto a colaborar, adotando as novas regras, porém não sem questionar e alertar para o fato de que existem outros setores que apresentam taxas de contaminação bem maiores, chegando, juntos, a quase 80%. “Estamos falando dos transportes em massa, dos parques públicos e das praias. Esses lugares sim deveriam ter um acompanhamento mais próximo. A eficácia da fiscalização nesses locais para combater a disseminação dos vírus, em um momento de dificuldade na saúde pública, seria maior”, explicou André.

“Há quase dois anos, montamos com o Governo uma série de regras para serem aplicadas pelo setor de bares e restaurantes, e seguimos cumprindo o que foi acordado. A taxa de sucesso é alta, mais de 94%, algo comprovado pelas fiscalizações feitas pelo Procon durante o período da pandemia. Sempre demonstramos nossa colaboração e somos a favor da vacinação, que é algo essencial para a retomada do setor”, acrescentou o presidente da Abrasel/PE.

Eventos ficam mais difíceis
Na avaliação do diretor regional da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos de Pernambuco (Abrape), Valder Bernardo, a decisão não proíbe a realização dos eventos, porém torna difícil o acontecimento. O setor passou cerca de 700 dias com o funcionamento parado, por conta das medidas de prevenção contra a Covid-19.  

“O setor tinha uma série de eventos baseados na última normativa, que permitia 7,5 mil pessoas. Não proíbe, mas inviabiliza. Quando você formata um evento, ele é baseado no público que está autorizado no momento. Vários eventos devem ser cancelados. Éramos obrigados a exigir vacinação, e agora vamos pedir teste. Praias lotadas, shoppings, só o setor de eventos está sendo impedido de funcionar, estamos há dois anos sem trabalhar, voltamos e o número divulgado mostra uma redução. É difícil entender o critério”, contou.

Veja também

Nova fábrica de piscinas deve gerar 60 empregos diretos em Pernambuco
Pernambuco

Nova fábrica de piscinas deve gerar de 60 empregos diretos em Escada, na Zona da Mata Sul

Elon Musk vende ações da Tesla por quase US$ 7 bilhões
Negócios

Elon Musk vende ações da Tesla por quase US$ 7 bilhões