A-A+

Empresários nos EUA se tranquilizam com ênfase de Mourão sobre Previdência

Mourão foi mais específico em relação a detalhes da reforma e disse de forma mais convicta que o governo tem consciência da importância da mudança previdenciária.

Vice-presidente Hamilton MourãoVice-presidente Hamilton Mourão - Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Empresários americanos, que veem com preocupação as indefinições em torno da tramitação da reforma da Previdência no Brasil, ficaram mais tranquilos com a mensagem do vice-presidente Hamilton Mourão de firme comprometimento com a aprovação da proposta.

Na opinião de alguns empresários, que estiveram com o presidente Jair Bolsonaro, em sua visita aos EUA 20 dias atrás, e com o vice, Mourão foi mais específico em relação a detalhes da reforma e disse de forma mais convicta que o governo tem consciência da importância da mudança previdenciária.

"O reconhecimento do vice-presidente de que a reforma da Previdência é a prioridade número 1, repetido em diversas ocasiões, foi muito bem recebido pela comunidade empresarial americana", disse Anthony Harrington, ex-embaixador dos Estados Unidos no Brasil e presidente do conselho da consultoria Albright Stonebridge. "A aprovação da reforma é a maior preocupação do mundo financeiro e do empresariado americano por causa da situação fiscal do Brasil."

Empresários ouvidos pela Folha de S.Paulo apontaram que, em suas apresentações na US Chamber e no jantar promovido pela câmara, Bolsonaro não falou mais de 10 minutos e foi pouco enfático e nada específico em relação à reforma da Previdência. O presidente recorreu ao ministro Paulo Guedes para falar longamente sobre o assunto.

Leia também:
Rejeição à reforma da Previdência diminuiu desde 2017, destaca secretário
Relator da Previdência vota por admissibilidade da proposta na CCJ



Mas os investidores esperavam alguma sinalização mais veemente de Bolsonaro em relação ao comprometimento com a reforma - afinal, as posições liberais de Guedes são muito bem recebidas, mas já são conhecidas e não garantem que todo o governo está em sintonia. Já Mourão discorreu em todos os eventos sobre a importância da reforma da Previdência, e reconhecimento de que o país vai quebrar se a legislação não for aprovada.

Na terça-feira (9), após se encontrar com senadores americanos, Mourão almoçou com autoridades dos EUA na residência da embaixada brasileira em Washington. Estavam presentes Kimberly Breier, secretária assistente de Estado para o Hemisfério Ocidental; Mauricio Claver-Carone, diretor de hemisfério ocidental no Conselho de Segurança Nacional, Brian Hook, assessor sênior do secretário de Estado, Mike Pompeo, o ex-embaixador Harrington e também uma autoridade que cuida dos acordos de salvaguardas tecnológicas, como o que foi assinado durante a visita do presidente Jair Bolsonaro e permite uso da base de Alcântara -mas ainda precisa ser aprovado pelo Congresso. Durante o governo Fernando Henrique, foi barrado no Legislativo.

À noite, o vice foi a um jantar promovido pelo Council of the Americas, em que estavam confirmados Andrés Gluski, presidente da AES, Shery Ahn, âncora da Bloomberg TV, Michael McKinley, assessor sênior do secretário de Estado e ex-embaixador no Brasil, o ex-embaixador Harrington e outros empresários.

Veja também

Brasil: 56,4% das dívidas dos inadimplentes são pagas em até 60 dias
Contas

Brasil: 56,4% das dívidas dos inadimplentes são pagas em até 60 dias

Vale perde posto de empresa mais valiosa da América Latina para Mercado Livre
Mercado

Vale perde posto de empresa mais valiosa da América Latina para Mercado Livre