Empresários que compraram jatos a juros subsidiados dizem não ver infração

Um deles disse ter receio de que seu nome, como pessoa física, venha a ser exposto por trás da pessoa jurídica compradora

BNDESBNDES - Foto: Arquivo / Agência Brasil

Depois que o BNDES divulgou, nesta terça-feira (20), os 134 contratos de financiamentos de jatos a juros subsidiados, a lista virou assunto entre alguns dos que compraram aviões.

Um deles disse ter receio de que seu nome, como pessoa física, venha a ser exposto por trás da pessoa jurídica compradora. Outro viu no lance uma cartada política do presidente Bolsonaro para atacar Luciano Huck e João Doria, possíveis concorrentes nas próximas eleições. E um terceiro deu de ombros.

Empresários listados dizem ter a consciência tranquila de que nenhum deles cometeu infração porque a linha de financiamento foi apresentada pelo banco como uma opção do Finame, que abrangia outras máquinas e equipamentos.

Leia também:
BNDES divulga quem comprou avião com juro subsidiado
'Se ele comprou jatinho, ele faz parte do caos', diz Bolsonaro sobre Luciano Huck


Nas conversas dos que compraram jatos, veio na memória a edição de 2009 da feira de aviação Labace, logo após o lançamento da redução dos juros para as aeronaves, antecipado pela Folha. Na época, o anúncio foi tratado como salvação para as vendas da Embraer, que vinham sofrendo com a crise de 2008.

A Labace ferveu naquele ano, quando o BNDES liberou a taxa de 4,5% ao ano para a aquisição dos jatos. Nos corredores da feira, compradores faziam piada, dizendo que a taxa para avião era mais barata que as de caminhões e ônibus, em torno de 7%.

Veja também

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon
Avon

Violência contra a mulher também é problema econômico, diz presidente

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção
servidores

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção