Empresas argentinas e paraguaias registram prejuízos com a paralisação

No caso da Argentina, os produtos que aguardam o embarque para o Brasil são carregamentos de cosméticos, soro de leite e autopeças

LeiteLeite - Foto: Arquivo/Folha de Pernambuco

Empresas argentinas que fazem comércio com o Brasil deixaram de embarcar uma série de mercadorias em decorrência da paralisação e dos protestos dos caminhoneiros nas estradas brasileiras. Situação semelhante ocorre no Paraguai, onde 900 caminhões do Brasil aguardam para fazer as entregas.

No caso da Argentina, os produtos que aguardam o embarque para o Brasil são carregamentos de cosméticos, soro de leite e autopeças. A empresa Tito Smart Model Logistics, responsável pela logística em transporte aéreo, marítimo e rodoviário de empresas envolvidas no comércio entre Brasil e Argentina, informou que a paralisação de caminhoneiros afetou essas exportações argentinas.

O gerente comercial da empresa, Pablo Lagreca, lamentou os impactos da paralisação. "O Brasil é o principal cliente de produtos industrializados argentinos e a greve de caminhões afeta também o transporte marítimo e aéreo, porque as mercadorias precisam sair dos portos e aeroportos para serem distribuídas no mercado", disse Lagreca.

Leia também
Depois de sacrificar 64 mi de aves, produtores vão ao Planalto pedir socorro
Aviões da FAB serão usados para transportar medicamentos e insumos
Greve de caminhoneiros começa a afetar atendimento hospitalar

Surpresa
A Argentina é um país de sindicatos fortes, historicamente acostumada a protestos e greves. Mas o que surpreendeu foi o que ocorreu em torno da paralisação e dos protestos, com informações desencontradas e a dificuldades em negociar um acordo, mantendo durante dias de rodovias bloqueadas. "O Brasil costuma ser mais previsível", disse Lagreca.

Até o momento, as embaixadas brasileiras nos países vizinhos não receberam queixas, mas a situação está sendo acompanhada com atenção pelos sócios brasileiros no Mercosul (bloco regional integrado tambem por Argentina, Paraguai e Uruguai).

Gustavo Segré, sócio e diretor do Center Group, que administra 53 empresas argentinas, afirmou que muitas companhias não carregaram os veículos porque não sabem se terão combustível para seguir viagem e retornar à Argentina.

Paraguai
No Paraguai, a paralisação dos caminhoneiros causou queda na entrada de mercadorias brasileiras no país. A Direção Nacional de Alfândegas (DNA) estima prejuízo em torno de US$ 5 milhões e US$ 7 milhões na arrecadação aduaneira. Segundo a entidade, aproximadamente 900 caminhões procedentes do Brasil que transportavam mercadorias e combustível estão parados.

O posto alfandegário de Ciudad del Este, situado na Ponte da Amizade, que conecta os dois países, é a região mais afetada, pois o fluxo de caminhões costuma ser incessante.

Veja também

Lira diz que MP da privatização da Eletrobras será votada amanhã
Privatizações

Lira diz que MP da privatização da Eletrobras será votada amanhã

Aumenta número dos que buscam informação sobre Covid nas redes sociais
Coronavírus

Aumenta número dos que buscam informação sobre Covid nas redes sociais